24 de setembro de 2020
Anuncie Aqui
-->
Giovani José da Silva

HISTÓRIAS DE ADMIRAR: O DIA DO ÍNDIO (PARTE 1)

Giovani José da Silva
19 ABR 2020 - 18h34min

         Chegamos ao 150.º texto da coluna Histórias de admirar, desde que iniciei a série de “alfarrábios” para O Pantaneiro, em novembro de 2013! Nem sempre conseguindo manter a regularidade semanal, já escrevi de tudo um pouco, mas faltava algo! Então, aproveito o dia de hoje, 19 de abril, para lhes contar um pouco sobre esta efeméride. Em 19 de abril é celebrado o Dia do Índio nas escolas de Norte a Sul do Brasil (não neste ano de pandemia...). Entretanto, muitos professores e alunos ainda não sabem por que tal data comemorativa foi criada e tampouco por que é celebrada. Em 1940, entre 14 e 24 de abril, ocorreu em Pátzcuaro, estado de Michoacán de Ocampo, México, o Primeiro Congresso Indigenista Interamericano. Nele, estiveram presentes representantes da maioria dos países americanos (exceto Canadá, Haiti e Paraguai), incluindo o Brasil. Ao longo de sua realização foram tomadas algumas decisões, tais como a criação do Instituto Indigenista Interamericano e a designação do dia 19 de abril como “Día del Aborigen Americano”. No Brasil foi chamado de “Dia do Índio” e, além do nosso país, apenas Argentina (1945) e Costa Rica (1971) ainda celebram a data. O Dia do Índio ou “Semana do Índio” em escolas brasileiras ganhou ares de comemoração cívica ao longo do tempo, mas repete, invariavelmente, fórmulas desgastadas de apresentação das “realidades indígenas”: desenhos estilizados, apresentações descontextualizadas, caracterizações folclóricas e exóticas do “ser índio”. Inclusive, em municípios onde há forte presença indígena, é comum verificar-se índios representados em esquetes teatrais ou desfiles de rua, bem longe da realidade local e mais parecidos com indígenas de livros didáticos. O indígena idealizado passa, então, a fazer parte da vida escolar e extraescolar de crianças, adolescentes e jovens que, quando perguntados sobre a presença indígena no Brasil, referem-se a ela como sendo exclusivamente do passado, algo a ser celebrado em data específica e que nada tem a ver com o cotidiano em que vivem. A comemoração do 19 de abril, instituída em 1943 por decreto-lei do governo Vargas, pode e deve ser desconstruída nas escolas, o que ajudará na reflexão sobre as trajetórias indígenas no país. O Dia do Índio poderia servir também para a celebração dos povos indígenas que vivem nas matas e nas cidades, dos que vivem no Brasil e em outros países americanos, daqueles que chegaram ao século XXI com poucos ou nenhum sinal diacrítico (que marca a diferença) e que nem por isso deixaram de se ver/ estar/ ser Terena, Potiguara, Kaingang, Wajãpi, Baniwa etc. Crianças e jovens em fase escolar podem aprender muito mais do que associar os povos indígenas à utilização de penas de aves em cocares, de tangas ou à nudez: é possível aprender a reconhecer a diferença, conhecendo-a, respeitando-a e valorizando-a como importante patrimônio cultural/ histórico/ artístico coletivo. Outras datas a serem lembradas são: 09 de agosto (Dia Internacional dos Povos Indígenas), instituído pela ONU, em 1994, quando também foi definida a Década Internacional dos Povos Indígenas (1995 a 2004). Em 2004, por meio da Resolução 59/ 174, a Assembleia da ONU aprovou o segundo decênio dos povos indígenas, de 2005 a 2014; 30 de Julho (Dia da Libertação Indígena), comemorado para relembrar que os índios já foram escravizados na América Portuguesa e deixaram legalmente a condição de escravos em 1609; 18 de Maio (Dia das Raças Indígenas da América) – embora o conceito de “raça” seja bastante questionável, a data é uma excelente oportunidade para, justamente, colocar em xeque a existência de “raças” entre as pessoas e discutir se há, de fato, uma “raça” indígena. Não apenas a comemoração de datas deve ser estimulada nas escolas pelos professores de diferentes componentes curriculares: o conhecimento da história das relações travadas entre indígenas e não indígenas ao longo do tempo no país pode e deve fazer parte da transversalização do tal “conteúdo” a ser ensinado. Em outras palavras, compreender como as populações indígenas foram enxergadas e tratadas na história do Brasil, além de ampliar os conhecimentos dos alunos, evita anacronismos de toda ordem. Pensarmos o passado dos povos indígenas e de suas relações com o Outro em seus próprios termos (tema para o próximo Histórias de admirar) auxilia nas reflexões que fazemos sobre o presente e, mais do que isso, aponta para expectativas de futuro desses povos. Assim, ao invés de tomar o 19 de abril como uma data preconceituosa e folclórica, como querem alguns, ou transformá-la em fetiche exótico, como querem outros, mais interessante é problematizá-la e aproveitar a data comemorativa para repensar como nós, de fato, “comemoramos” as presenças indígenas em nosso país...

 

Veja também

Mais Lidas

1
Policial

Morre aquidauanense que cortou pescoço em cerca de arame

2
Aquidauana

Nossa gente: é com a pesca que "Neguinha de Camisão" sustenta sua família

3
Anastácio

Confira quais são os candidatos a prefeito e vice em Anastácio

4
Geral

Seguem internadas vítimas de acidente entre moto e caminhão, em Aquidauana

Vídeos

Incêndio de grandes proporções consumiu atacadista, em Campo Grande

Em mais um acidente na MS-450, bombeiros resgatam vítima das ferragens

Onça-parda é flagrada 'passeando' por bairro e assusta moradores

Ver mais Videos

Previsão do Tempo

min22 max38

Aquidauana

Sol com algumas nuvens. Não chove.
min22 max38

Anastácio

Sol com algumas nuvens. Não chove.

Níveis dos Rios Hoje

Aquidauana
1,99m
Miranda
1,83m
Paraguai
1,01m

Colunas e Blogs

Maria de Lourdes Medeiros Bruno

"UM DIA..."

Valdemir Gomes

A...

Flavia Rohdt

Aldravia 25 #PantanalemChamas

Ver Mais Colunas

Guia Cidade

Auto Posto

Posto Lavakar

Manoel Antonio Paes de barros, 964 - 79200-000 Aquidauana/MS (67) 3241 2666
Transportes

TRENZINHO DO PANTANAL - Transporte urbano

Rua Solevanti, 1551 Bairro Guanandy - 79200-000 Aquidauana/MS (67) 3241 4461 / 991
Escola de Formação Profissional

Genius

Rua Estevão Alves Corrêa, 2011 Centro - 79200000 Aquidauana/MS (67)
Ver Mais
Fale com a redação