A edição digital do jornal O Pantaneiro é restrita para assinantes.Assine
07 de julho de 2020
Anuncie Aqui
-->
Ariane Oshiro

De peito aberto

É comum pensarmos no automático. Nos dias de hoje a teoria Gestalt, de estímulo resposta é vivida exaustivamente. Estamos programados a obter respostas rápidas e imediatas. Somos imediatistas e perfeccionistas, pois a...

dothCom Consultoria Digital
6 JUN 2011 - 00h00min
É comum pensarmos no automático. Nos dias de hoje a teoria Gestalt, de estímulo resposta é vivida exaustivamente. Estamos programados a obter respostas rápidas e imediatas. Somos imediatistas e perfeccionistas, pois a resposta tem que ser a pré determinada. Graças a era da informática é sempre possível ter uma expectativa de resposta rápida após o oferecimento do comando correto. Com isso, pensamos dominar todas as situações. Acreditamos com todas as nossas forças que sabemos tudo e se não soubermos, sempre haverá um equipamento que faz por nós. Isso não é exatamente uma inverdade. Para sobrevivência corporativa desde o nível operacional, realmente precisamos estar prontos para tudo.

Ser super profissionais, gerenciar diversas situações ao mesmo tempo com os mais diversos recursos tecnológicos. Mas nunca podemos esquecer que nada é maior que o poder de Deus.
Essa não é uma mensagem de evangelismo exatamente, mas de uma cristã que experimentou sair do que é programado, sair de seu estilo controlador e perfeccionista para viver uma experiência que mudou sua vida: a amamentação de seu filho.

Tenho um filho recém nascido, que já nasceu com quase 4 kg e com 48 cm. Nasceu antes da data estipulada para a cesárea, mas de 38 semanas. Eu fiz todos as leituras e cursos possíveis sobre ser mãe, sobre a gestação e desenvolvimento do bebê. Minha gravidez foi muito esperada, e tive o prazer de compartilhar a alegria com amigos e familiares, de modo que acho que ele terá presentes para utilizar até os 23 anos (caso fosse possível pelo tamanho). Porém, por uma coisa eu não esperava: eu não esperava não ter o controle da situação. Quando comentava minhas dificuldades e ansiedades durante a gestação, todos diziam isso é instinto, você aprende fazendo. Mas não é bem assim.

A partir do nascimento, no coração de uma nova mãe surgem inúmeras angústias relacionadas a capacidade ou não de cuidar do próprio filho e a maior delas vem a ser a amamentação. Apesar de todos o conhecimento que julgava ter eu não estava preparada. Passei por engurgitamento (uma espécie de empedramento do leite na mama, a partir da descida do leite, depois do colostro) , fissuras (ruptura da mama por conta das “mordidas” do bebê), ameaça de mastite e claro passei por uma angústia tremenda. Afinal se sentir incapaz de fazer o que tem que ser feito é o fim nos dias atuais. A sensação de total incompetência engessa e imobiliza. Ver seu filho sofrendo também é uma das sensações mais difíceis que presenciei.

O que me fez prosseguir na amamentação materna foi o apoio que tive de diversos profissionais que foram instrumentos de Deus na minha vida. Aprendi desde segurar meu filho, levantar da cadeira com ele no colo, posicionar os ombros, braços e pernas. Mas aprendi mais, aprendi no banco de leite o quanto se luta pela vida ao ver crianças que nasceram com 400 g de peso total. Aprendi que toda mãe supera dores que provavelmente seriam insuperáveis, se não fosse pelo seu filho. Aprendi que posso me esquecer de horários e datas, mas nunca me esqueço de olhar para meu filho. Aprendi muitas técnicas e tive apoio da minha família para desenvolvê-las. Aprendi que o perfeccionismo e forma racional com que via as coisas muitas vezes me levou a caminhos que apenas machucavam a mim. Aprendi que um ser tão pequeno, pode mudar toda uma vida de 26 anos com seu choro ou sorriso. Acima de tudo, descobri que ser mãe é rever tudo que você é para cuidar de uma nova vida.

Com esse texto, gostaria de abrir um caminho para discussão, de dificuldades de amamentação. Gostaria de dizer assim: nós não nascemos sabendo ser mãe e muito menos amamentar, mas podemos aprender muito entre nós. Podemos fazer elos de ligação com amor, para as mães que não tiveram o mesmo apoio que eu tive. Tanto da família, como de profissionais e eu posso aprender ainda mais. Afinal, não pensem que essa é uma experiência acabada. Cada dia é um novo dia, uma nova vivência e um novo caminho. Eu me contento em saber o suficiente pra hoje. E saber ainda que meu filho vai me perdoar pelas minhas imperfeições. Ser mãe é isso, estar de peito aberto a favor da vida.
02/02/2011
 

Veja também

Mais Lidas

1
Geral

Sucuri de 5 metros é encontrada morta em local onde foi vista se alimentando

2
Aquidauana

Câmera flagra onça se alimentando de bezerro em fazenda de Aquidauana

3
Miranda

Homem mata bebê de dois meses para vingar suposta traição da esposa em Miranda

4
Aquidauana

Cachorro atravessa rua e provoca acidente com moto em Aquidauana

Vídeos

Cães encontram droga escondida em estofado de veículo

Morador de Taunay encontra jaguatirica morta às margens da BR-262

Bombeiros de Aquidauana estão na operação para controle de grande incêndio no Pantanal

Ver mais Videos

Previsão do Tempo

min18 max34

Aquidauana

Sol com algumas nuvens. Não chove.
min18 max34

Anastácio

Sol com algumas nuvens. Não chove.

Níveis dos Rios Hoje

Aquidauana
2,49m
Miranda
2,97m
Paraguai
1,93m

Colunas e Blogs

Rosildo Barcellos

História e tradição a céu aberto

Valdemir Gomes

Até...

Maria de Lourdes Medeiros Bruno

"ACABOU-SE AGORA..."

Ver Mais Colunas

Guia Cidade

Supermercados

Supermercado Atlântico

Oscar de Barros 0 L 20 Qdr. 11, Santa Terezinha - 79200-000 Aquidauana/MS (67) 3241-2960 / 324
Agências de Viagem e Operadoras

Buriti Viagens e Turismo

Manoel Antonio de Barros, 720 Centro - 79200-000 Aquidauana/MS (67) 3241 2718
Médicos

Solange A. Pellegrino - Psiquiatra

Marechal Mallet, 567 Centro - 79200-000 Aquidauana/MS (67) 3241-3114
Ver Mais