Vou...

18/05/2022 17:57:00


Vou...

Buscar novos rumos, horizontes...
Da maneira que estamos... Impossível!
Trabalhar em benefício, coletivo, outro nível...
De gestores idiotas, temos... Monte!
Da desgraça implantaram, fontes...
Mas têm muita gente... Hipnotizada!
Uma questão de respeito... “Camarada!”
Chega de escapismos, sabonete... “Traíra!
Dessa forma, nenhuma confiança, inspira...
Cansamos de tanta manolagem... “Patacoada!”


Sonhar com um mundo diferente...
Parece que está virando... “Pesadelo!”
Basta de tratamento gado... “Sinuelo!”
Chega de posturas, atitudes... Inconseqtcuentes!
Não tem capacidade, deveras... “Incompetente!
Sua gestão, literalmente, a serviço... Prole!
Para proteger os seus, com a lei... “Bole!”
Diria, quanto despautério... “Disparate!”
Em outubro, retomaremos, País, resgate...
Da sanfona, dilaceraram... “Fole!”


Construir uma sociedade, diferente...
Missão além, de instigante... “Ousada!”
Povo apertado, qual... “Sardinha enlatada!”
Recebendo tratamento gado, não... “Gente!”
Por acreditar nesse bravateiro... “Negligente!”
Estamos deveras, pagando alto... “Preço!”
Na testa, tarja de idiota... “Adereço!”
O gesto Arminha, surrupiou... “Marmita!”
A batata dele está quase, frita...
Acordamos; ao Grande Arquiteto... “Agradeço!”


Apesar de tantas mazelas, ainda...
Pobres, delirando, derrapando... “Pista!”
Dizendo: “Jamais, votarei em comunista...”
O povo teleguiado, literalmente... “Berlinda!”
Felizmente, em outubro essa amnesia... “Finda!”
Arrogância, máscara, do bravateiro... “Caiu!”
Dessa hibernação, o contribuinte... “Saiu!”
Agora atento, realmente, na... “Espreita!”
Ao problema, voto consciente, receita...
Em outubro, mandaremos... “Puta que pariu!”

Poema: Valdemir Gomes dos Santos 19/05/2022


Valdemir Gomes - Valdemir Gomes