01 de agosto de 2021
Anuncie Aqui
Economia

MS não perde contratos apesar da crise política na Bolívia, diz Reinaldo

“Não vejo [possibilidade] ruptura contratual, até porque a Bolívia é dependente do Brasil”, afirmou

13 NOV 2019 - 15h42min
CGNews

A crise política na Bolívia não deve afetar a relação comercial entre o país vizinho e o Brasil, por isso, o Governo de Mato Grosso do Sul não vê motivo para se preocupar. A análise é do governador Reinaldo Azambuja (PSDB), que comentou o assunto em agenda pública nesta manhã (13), três dias depois de Evo Morales renunciar à presidência.

Campanha Supermercado Atlântico_Angus 02

“Não vejo [possibilidade] ruptura contratual, até porque a Bolívia é dependente do Brasil”, afirmou.

O secretário de Estado de Meio Ambiente, Desenvolvimento Econômico, Produção e Agricultura, Jaime Verruck, é da mesma opinião. “A Bolívia não tem outro parceiro estratégico para alocar essa produção”, referiu-se à compra do gás natural e outros insumos bolivianos pelas empresas sul-mato-grossenses e do restante do País.

O chefe da Semagro destaca que só de ureia, borato e cloreto de potássio, Mato Grosso do Sul tem previsão de consumir 1 milhão de toneladas até o fim do ano que vem.

“Independente da estrutura de governo que venha assumir não tem como não identificar o Brasil como forte parceiro comercial tanto que um governo de extrema esquerda, como o de Evo, tinha excelente relação conosco, porque não tinha outra forma”, completou o secretário.

Reinaldo se diz mais otimista com a possibilidade de um novo comando. “Com a renúncia do presidente Evo e a posse da interina, a gente vai voltar a ter estabilidade, volta o espírito da democracia com as novas eleições”.

O governador disse ainda que a situação na fronteira do Estado com a Bolívia está mais tranquila. “Hoje as fronteiras já abriram, agora é aguardar o processo legítimo da democracia para quem for eleito continue a parceria conosco”.

Verruck lembrou que os protestos que fecharam a passagem de carros entre Corumbá e Puerto Quijarro impactou o comércio na cidade sul-mato-grossense. “O movimento caiu pela metade”.

De acordo com o secretário, até ontem à noite, havia ao menos 500 caminhões parados na fronteira. Do lado de lá, os carregados com ureia e do lado de cá, os que iam em direção às cidades bolivianas para trazer o insumo.

A Bolívia enfrentou uma onda de protestos desde a eleição cujo resultado foi a vitória de Evo Morales, muito contestada pela oposição. O presidente renunciou ao cargo no dia 10 e pediu asilo político no México.

 

Veja também

Mais Lidas

1
Aquidauana

Polícia Ambiental autua dois homens por caça ilegal de porcos silvestres

2
Geral

Acidente na Estrada do Pequi deixa uma pessoa ferida

3
Miranda

Comerciante de munições é denunciado pela própria filha

4
Geral

De office boy a secretário de finanças, Adriano tem a caminhada da vida recheada de orgulho

Informe Publicitário

Informe

De barraca a supermercado, poema conta história da Rede Atlântico

Previsão do Tempo

min13 max28

Aquidauana

Sol com algumas nuvens. Não chove.
min13 max28

Anastácio

Sol com algumas nuvens. Não chove.

Níveis dos Rios Hoje

Aquidauana
1,88m
Miranda
1,70m
Paraguai
1,00m

Colunas e Blogs

Valdemir Gomes

Com...

Rosildo Barcellos

Aruanã Etô – É o lugar das máscaras !

Gabriel Novis Neves

A GRATIDÃO TAMBÉM É VIRTUDE ETERNA

Ver Mais Colunas

Guia Cidade

Farmácias e Drogarias

Drogaria Progresso

Rua João Leite Ribeiro, 345 c Centro - 79210-000 Anastácio/MS (67) 3245-0643
Médicos

Carlos Alberto A. Filho - Otorrino

Ruas Marechal Mallet, 601 Centro - 79200-000 Aquidauana/MS (67) 3241-2126
Médicos

José Arruda Fialho

Sete de Setembro, 1193 Centro - 79200-000 Aquidauana/MS (67)
Ver Mais
2
Entre em nosso grupo