X
Esportes

Belluzzo diz que grito vamos matar os bambis era brincadeira

Um vídeo que vazou na internet mostra o presidente do Palmeiras, Luiz Gonzaga Belluzzo (afastado do cargo temporariamente pelo STJD), dizendo "Vamos matar os bambis" no aniversário da escola de samba de uma das torcidas organizadas do time, em outubro deste ano. O dirigente, no entanto, pede inteligência e bom humor para que isso não seja encarado como incitação à violência.


"Falei em um ambiente de festa há dois meses, em uma escola de samba. Estava com minha família, minha filha, era brincadeira. É preciso um mínimo de inteligência. Falei matar no sentido futebolístico", disse Belluzzo. O vídeo é de 17 de outubro, dia em que o São Paulo foi derrotado pelo Atlético-MG e véspera da derrota do Palmeiras para o Flamengo, no Palestra Itália.


A atitude do palmeirense lembra a polêmica entre Corinthians e São Paulo, quando se exibiu um vídeo provocativo na festa de aniversário do clube alvinegro. A diretoria são-paulina repudiou a manifestação rival, que mostrou um veado uniformizado com cores que faziam alusão à equipe tricolor. Apesar da possibilidade de uma nova polêmica, Belluzzo reitera que o ambiente da escola permitia a brincadeira.


"Era uma escola de samba, nem era da torcida. E nem aconteceu ontem, foi antes do jogo contra o Flamengo, não tem nada a ver. Tem que se pedir o mínimo de massa cinzenta e de bom humor, isso é ridículo", acrescentou o dirigente, ao reforçar que "matar" já faz parte do jargão do futebol, quando um time tem a intenção de derrotar ou eliminar um adversário em uma competição, como era o caso.


Em outubro, o Palmeiras ainda era o ponteiro do Campeonato Brasileiro, e Belluzzo pediu, na ocasião do aniversário, que a torcida jogasse junto com o time e a diretoria se quisesse "chegar a algum lugar". Dois meses depois, com a equipe na quarta colocação e três pontos abaixo do líder São Paulo, ele voltou a enaltecer o apoio dos torcedores, lamentando apenas que o time tenha caído de rendimento.


"A torcida do Palmeiras tem noção de que a diretoria fez o que foi possível, não sei se o necessário, isso ninguém sabe. Mas quando o time vai para frente, vai tudo bem. Quando vai mal, tem crítica. É normal de um campeonato. Mas até agora a torcida tem apoiado o time. Não se pode reclamar da torcida, que foi lá e fez seu papel. O time é que não foi bem", finalizou o mandatário palmeirense.

Deixe a sua opinião

VEJA TAMBÉM

ÚLTIMAS

Estado

Termo prevê restituição de valores em ações de saúde

Documento foi assinado entre Defensoria Pública de MS e Procuradoria do Estado

Saúde

Brasil integra rede da OMS para monitoramento de coronavírus

Organização reúne 36 laboratórios de 21 países

Voltar ao topo

Logo O Pantaneiro Rodapé

Rua XV de Agosto, 339 - Bairro Alto - Aquidauana/MS

©2024 O Pantaneiro. Todos os Direitos Reservados.

Layout

Software

2
Entre em nosso grupo