28 de fevereiro de 2021
Anuncie Aqui
-->
Geral

Discussão sobre lei Maria da Penha

17 OUT 2007 - 11h45min
acessoria de imprensa

Aproximadamente 200 pessoas estiveram presentes na audiência pública, realizada na tarde desta terça-feira (16), no plenário Júlio Maia, na Assembléia Legislativa. Proposta pela deputada Celina Jallad, a audiência é conseqüência da declaração de inconstitucionalidade da Lei nº 11.340/06, conhecida como lei Maria da Penha, decretada pelo juiz da comarca de Itaporã e confirmada em recurso pela 2ª Turma Criminal, no Tribunal de Justiça.


Celina lembrou que a lei Maria da Penha está em vigor e que a norma é resultado da luta dos movimentos feministas e de mulheres no combate à violência contra as mulheres, em especial, a pior forma de violência: a cometida em âmbito doméstico. Ela frisou que, respeitada a independência do Poder Judiciário, não se pode aceitar tal decisão: é preciso recorrer em instâncias superiores.


"Essa lei representa uma importante conquista da sociedade em direção à igualdade entre homens e mulheres, que hoje existe apenas no papel, pois, na prática, a mulher continua sendo desvalorizada e isso é fácil de se perceber quando se vê a mulher ganhando menos ao executar a mesma tarefa que um homem, quando é maioria em serviços de menor prestígio, como no caso das empregadas domésticas. É inadmissível que esta lei seja considerada inconstitucional, ela é um ganho para a luta das mulheres", acrescentou a deputada.


A juíza Amini Haddad Campos, da 1ª Vara Especializada de Violência Doméstica e Familiar Contra a Mulher de Cuiabá e palestrante na audiência, explicou que a Lei nº 11.340/2206 é totalmente constitucional, não apresenta falha no que se refere ao conteúdo e, se aplicada no país, extremamente eficaz - embora alguns aplicadores da lei ainda a considerem inconstitucional.


"Em Minas Gerais, um juiz escreveu em sua sentença que a desgraça do mundo começou no Éden por causa de uma mulher, que o mundo é masculino e assim deve continuar, antes de declarar a inconstitucionalidade da lei. Apesar de tudo isso, precisamos refletir e nos conscientizar do que significa a lei Maria da penha no Brasil", contou Amini, mostrando exemplo de violência cometida contra mulheres em alguns países árabes, Indonésia, Chile e no Brasil.


"Em nosso país, a cada 100 mulheres assassinadas, 70 foram mortas em ambiente doméstico/familiar. Segundo a OMS, quase metade das mulheres assassinadas são mortas pelo marido ou namorado, atual ou ex. Em alguns países, até 69% das mulheres relatam terem sido agredidas fisicamente e até 47% declaram que sua primeira relação sexual foi forçada. Precisamos mudar essa realidade. Espero ver as mulheres nos cargos de decisão desse país e essa harmonia só será possível com exercício igualitário em uma sociedade de homens e mulheres com os mesmo direitos. Atrás de um grande homem não deve ter uma mulher: ela deve estar ao seu lado. É preciso combater a violência de gênero. As mulheres são 51% da população no Brasil, porém, infelizmente, ocupam apenas 4% dos cargos públicos.


Resultados - Segundo a juíza, o Brasil é detentor da maior estatística de violência urbana e o causador deste problema é a falta de estrutura familiar. Em MT, o número de casos de reincidências diminuiu em 2% e as denúncias triplicaram.


Esse fator também foi apontado pela delegada Lúcia Falcão, da Delegacia Especializada ao Atendimento à Mulher (DEAM). Ela explicou que se a Lei Maria da Penha for considerada inconstitucional, haverá um retrocesso, pois com a nova legislação, houve um significativo aumento de boletins de ocorrências em razão da credibilidade da Lei. Apesar disso, a técnica da Secretaria Estadual de Saúde, Suzana Martins, apontou um dado preocupante: 70 mulheres morrem anualmente e, em 80% dos casos, morrem em decorrência da violência doméstica.


Dois ações práticas são frutos da audiência: a Carta de Campo Grande e a criação de um comitê para acompanhar a aplicabilidade da lei nº 11.340/06. Na Carta de Campo Grande descreve-se a luta de diferentes movimentos no combate à violência contra as mulheres e se aponta a importância de uma legislação que propicie a igualdade entre os gêneros. O documento, assinado por todos os presentes, será enviado ao presidente Luis Inácio Lula da Silva e a todas as autoridades de Mato Grosso do Sul.


Participam também da audiência Carla Sthephanini Rocha, coordenadora Especial de Políticas Públicas para a Mulher da Secretaria Estadual de Governo; Jeanete Mazziero, representante do Conselho Nacional dos Direitos da Mulher; Antonio Siufi Neto, procurador de Justiça; Yone Coelho, superintendente da Política de Assistência Social da Secretaria Estadual de Trabalho, Assistência Social e Economia Solidária; Edna Nunes da Cunha, defensora pública geral; Maria Rosana Pinto, do Comitê Permanente de Acompanhamento da Implantação da lei Maria da Penha, Iacita Terezinha Pionti, representante da OAB/MS, além dos deputados Pedro Kemp, Junior Mocchi, Paulo Duarte, Dione Hashioka e do ex-deputado Ben Hur Ferreira.

 

Veja também

Mais Lidas

1
Geral

Motociclista vítima de acidente em Anastácio morre no Hospital Regional

2
Geral

Vítima fatal de acidente de trânsito em Anastácio sonhava com carreira militar

3
Geral

Acidente entre caminhão bitrem e moto deixa feridos em Anastácio

4
Policial

Motociclista de 34 anos morreu depois colidir com animal a caminho de Bonito

Vídeos

Pensa no Susto Moradora encontra sucuri escondida no quintal de casa

Chuva forte alaga entrada do município de Anastácio/MS

Acidente entre duas motos deixa jovem de 21 anos ferida em Corumbá

Ver mais Videos

Previsão do Tempo

min24 max37

Aquidauana

Sol com algumas nuvens. Não chove.
min24 max37

Anastácio

Sol com algumas nuvens. Não chove.

Níveis dos Rios Hoje

Aquidauana
2,90m
Miranda
6,87m
Paraguai
1,45cm

Colunas e Blogs

Valdemir Gomes

Para...

Paulo Corrêa de Oliveira

RÁPIDAS IMPRESSÕES DE UM PEREGRINO – II

Maria de Lourdes Medeiros Bruno

CAPITU

Ver Mais Colunas

Guia Cidade

Auto Posto

Auto Posto WA I

Rua 07 de Setembro, 1195 Centro - 79200-000 Aquidauana/MS (67)
Supermercados

Supermercado União

Carlos F. Bandeira 12 Qdr. 15, conj. Ovídio Costa I - 79200-000 Aquidauana/MS (67) 3241-3622
Médicos

Viviane A. N. Contente - Nefrologista

Manoel Antonio Paes de Barros, 844 Centro - 79200-000 Aquidauana/MS (67) 3241-8816
Ver Mais
2
Entre em nosso grupo