14 de junho de 2021
Anuncie Aqui
-->
Cultura

Pesquisador estuda canções 'pantaneiras' como patrimônio imaterial

"Trem do Pantanal" é uma das músicas estudads

2 DEZ 2020 - 10h37min
Assessoria

“A música é uma parte que me constitui”, assim Flávio Zancheta Faccioni descreve o interesse em estudar canções e os sentidos que delas emergem, bem como demarcar a cultura e história regional que são repassados por meio da voz e dos instrumentos como a viola e o violão. A música foi estudada em sua dissertação de mestrado e é objeto também da sua tese, que deve ser desenvolvida no doutorado recém iniciado.

Campanha Drogaria Aquidauana Institucional - 12

O pesquisador, que é graduado em Letras com habilitação em Português/Espanhol pela UFMS, campus de Três Lagoas (CPTL), relembra que foi na volta de um congresso que surgiu a ideia. “Estava tocando uma música do Almir Sater e eu ainda não tinha pensado o que eu poderia pesquisar, então minha orientadora, professora Claudete Cameschi de Souza falou ‘você pode fazer um trabalho sobre as canções do Almir’. Então inicialmente esse era o intuito, mas depois pesquisando outras produções chegamos aos  outros cantores. Entrevistei o Almir e também o Geraldo Espíndola e o Paulo Simões, e assim busquei as representações dos povos indígenas em três canções compostas por eles: Kikiô, Serra de Maracajú e Sonhos Guaranis”, conta.

A dissertação “(Em) Serra de Maracajú, Sonhos Guaranis” traz observações sobre a memória e a história dos indígenas contidas nas três músicas e o título subjetivo do trabalho, unindo os nomes de duas canções, traz também significados. “O título quem sugeriu foi minha orientadora, criatividade dela. Ao mesmo tempo em que a preposição ‘em’ ao início está separada de ‘Serra’ pelos parênteses, na leitura a oralidade leva à união dessas duas palavras, e apesar de não haver o ‘c’ do verbo encerrar, a pronúncia nos leva a ‘encerrar’. Então encerram-se na Serra de Maracajú os sonhos de todos os povos originários, porque ali se abrigavam, porque ali sempre foi um espaço de acolhimento e proteção durante a guerra do Paraguai”, explica.

Doutorado – Flávio disse que durante as entrevistas com os compositores para o trabalho de mestrado, identificou-se bastante com Paulo Simões, sua vivência e inspirações e por isso resolveu dedicar-se às suas composições no doutorado. O estudante está no primeiro ano do Programa de Pós-Graduação em Letras do CPTL e é bolsista da Fundação de Apoio ao Desenvolvimento do Ensino, Ciência e Tecnologia do Estado de Mato Grosso do Sul (Fundect). Seu trabalho “Mato Grosso do Sul: entre cordas e versos” está na área de concentração em “Estudos Linguísticos” e na linha de pesquisa “Discurso, subjetividade e ensino de línguas”.

“As produções do Paulo Simões em parceria com Almir Sater, Geraldo Roca, que infelizmente já é falecido, entre outros parceiros, falam muito de Mato Grosso do Sul, então agora o intuito é observar essas representações, mapear esse patrimônio imaterial cultural para que outras gerações conheçam a história, a memória, a cultura do estado passada por meio dessas canções”, informou. Flávio revela que se interessa muito pela criação e composição das músicas, pela subjetividade, e que a abertura que conseguiu junto aos entrevistados permite que recorra a eles para a compreensão desse processo. “Quero entender como a canção foi produzida e quais são os efeitos de sentido hoje e quais eram ontem, porque as músicas vão adquirindo novos sentidos. Todos os dias eu ouço Paulo Simões e vou identificando diferenças, as diversas temáticas que ele canta”, afirma.

Entre as atividades previstas no projeto de doutorado estão novas entrevistas com Paulo e com outros compositores com os quais trabalha, pesquisa de campo e observação do material. O intuito do estudante é analisar cerca de 10 canções, entre elas “Sonhos Guaranis”, “Comitiva Esperança”, “Mês de Maio” e “Trem do Pantanal”. “Sobre a última, Paulo contou que foi criada quando ele e Geraldo Roca foram para Machu Pichu de trem e logo após passarem por Miranda surgiram os primeiros acordes. Inicialmente a música se chamava ‘Sobre todos os trilhos da Terra’, mas como as pessoas sempre pediam que tocassem ‘Trem do Pantanal’, assim ficou. E essa canção pode ser considerada um hino não oficial de Mato Grosso do Sul de tanto que fez sucesso e remete à cultura regional”, pontua Flávio.

Sobre os trilhos – Por falar em trem, este elemento bastante presente nas canções regionais é apontado pelo pesquisador como uma grande contribuição para a formação social do estado. “O trem é sinônimo de progresso, ele traz isso e também influi na formação cultural porque atua também na formação social. Paulo Simões que não é sul-mato-grossense chega ao estado de trem”, conta.

Pensando nessas questões e na canção, Flávio resolveu participar do edital de “Seleção de Projetos Culturais da Valorização da Cultura três-lagoense”, desenvolvido pela prefeitura. A proposta “Trilhos Culturais de Mato Grosso do Sul” está interligada com seu projeto de doutorado e conquistou o 3º lugar. De acordo com o doutorando, o objetivo principal é refletir e debater a importância da memória histórica do trem para a cidade e para o estado, e isso deve ser feito por meio de um seminário, exposição fotográfica e a possível gravação de um videoclipe no local.

O estudante ainda não sabe se o evento poderá ser feito presencialmente ou se será todo virtual, mas a previsão de realização totalmente gratuita e aberta ao público é para março de 2021. “O intuito é trazer pessoas que trabalharam na área ferroviária, pesquisadores e outros representantes que possam discutir os impactos do trem na economia, na cultura e na sociedade local. Queremos promover também uma reflexão sobre possibilidades de utilização do trem e para onde a atividade pode convergir e, ainda, trazer o Paulo Simões para cantar e gravar um videoclipe de ‘Trem do Pantanal’ na ‘Cidade das Águas’”, revela.

Flávio conta que a prefeitura de Três Lagoas já tem realizado revitalizações nos espaços ferroviários da cidade, “inclusive a antiga estação hoje faz parte da Secretaria Municipal de Educação e Cultura e é onde fui assinar o contrato para a execução desse projeto, o que para mim foi bastante simbólico”, disse. O estudante finaliza informando que a ideia é reunir todo o material produzido a partir das discussões no seminário e as imagens da exposição em um canal na internet e no formato de livro virtual. “Nós nos diferenciamos por meio da cultura, de aspectos culturais que as canções também trazem para os outros, então quero contribuir, com o projeto e também com a tese, para a valorização desse patrimônio imaterial”.

 

Veja também

Mais Lidas

1
Aquidauana

Morre Clodoaldo Rodrigues Lima, vítima de Covid-19

2
Geral

Morre de Covid-19, o servidor da prefeitura, Nivaldo Gabriel Rosa, o Torrão 

3
Geral

Aposta de Mato Grosso do Sul acerta a quina e ganha R$ 130 mil

4
Saúde

Com 43 municípios em risco extremo, hoje começa a valer nova classificação do Prosseguir

Informe Publicitário

Informe

Selenita Semijoias tem o presente perfeito e sorteio de Dia dos Namorados

Previsão do Tempo

min16 max30

Aquidauana

Sol com algumas nuvens. Não chove.
min16 max30

Anastácio

Sol com algumas nuvens. Não chove.

Níveis dos Rios Hoje

Aquidauana
2,05m
Miranda
1,88m
Paraguai
1,49m

Colunas e Blogs

Valdemir Gomes

Em...

Maria de Lourdes Medeiros Bruno

PARTE XIII: AUTOESTIMA FEMININA: FORTIFICÁ-LA!

Rosildo Barcellos

A Retomada de Corumbá

Ver Mais Colunas

Guia Cidade

Pousadas

Fazenda Rio Negro

Rio Negro, - Aquidauana/MS (67) 326-0002 / 326- www.fazendarionegro.com.br
Distribuidoras de Gás

Shekinah Gás

Rua 27 de julho esq. com João Pessoa, s/n - 79210-000 Anastácio/MS (67) 3245-0055
Hotéis

Hotel Bela Vista

Rua Manoel Aureliano da Costa, 678 Aquidauana/MS (67) 3241-8493 (67) 99653-8207 http://www.hotelbelavistams.com.br
Ver Mais
2
Entre em nosso grupo