X
Segurança

Projeto 'Tembiaporã resgata cultura e profissionaliza indígenas encarcerados

Projeto é pioneiro no Brasil e que visa atender internos indígenas

Unidade de Naviraí / Divulgação

Na busca por promover a reconexão com as raízes e fomentar oportunidades de reinserção social, a Agepen (Agência Estadual de Administração do Sistema Penitenciário) está desenvolvendo na Penitenciária de Segurança Máxima de Naviraí o projeto 'Tembiaporã: Che Añekambia', pioneiro no Brasil e que visa atender internos indígenas, oferecendo ações que vão desde o fortalecimento do vínculo com a família até a profissionalização e valorização da cultura indígena.

Coordenada pela Diretoria de Assistência Penitenciária da Agepen, por meio da Divisão de Promoção Social, a iniciativa tem amparo da Prefeitura de Naviraí e de outras entidades locais, englobando uma ampla gama de atividades, como encontros familiares, tanto presenciais quanto virtuais, até a providência de documentação pessoal e ações de conscientização sobre saúde e higiene.

"O objetivo é criar um ambiente propício para o desenvolvimento pessoal e social dos participantes", informa o responsável pelo Setor Psicossocial da unidade prisional, policial penal Evandro Charão Machado, um dos autores do projeto.

Dentre os destaques está a ênfase na valorização da cultura indígena, incluindo a produção de artesanato tradicional e o ensino da língua materna Guarani Kaiowá.

Com aulas semanais ministradas por uma equipe multidisciplinar, composta por um professor indígena, um assistente social e um acadêmico de Ciências Sociais da UFMS, visa resgatar a identidade cultural dos internos e prepará-los para uma reintegração mais efetiva na sociedade. A ação está associada ao 'Projeto Educação Indígena Apoio Intersetorial', desenvolvido pela Gemed (Gerência Municipal de Educação).

Para o diretor da Penitenciária de Naviraí, policial penal Jonas dos Santos Ferreira, o projeto representa um passo crucial na construção de um ambiente prisional mais inclusivo e na preservação da identidade indígena dos internos.

"Muitos dos participantes estão há anos afastados de suas comunidades e enfrentam dificuldades para manter sua cultura e língua materna enquanto cumprem suas penas", explica o dirigente.

A proposta, conforme o policial penal, é que o projeto não apenas ofereça esperança e oportunidades para os indígenas encarcerados, mas também viabilize a importância de abordagens inovadoras para a ressocialização e valorização da diversidade cultural no sistema prisional do estado.

Na tradução livre, a expressão 'Tembiaporã: Che Añekambia' carrega consigo a ideia de transformação, sabedoria, cooperação e otimismo.

*Com informações da Agepen

Deixe a sua opinião

VEJA TAMBÉM

ÚLTIMAS

Polícia

Idoso é vítima de estelionato em Anastácio

Vítima recebeu ligação de falso gerente de banco

Emprego

FAB abre processo seletivo de cabos temporários para trabalhar no RS

São 224 vagas de nível fundamental

Voltar ao topo

Logo O Pantaneiro Rodapé

Rua XV de Agosto, 339 - Bairro Alto - Aquidauana/MS

©2024 O Pantaneiro. Todos os Direitos Reservados.

Layout

Software

2
Entre em nosso grupo