X
Ciência

Projeto visa estudo e preservação de espécies da região pantaneira

Conhecer para preservar. Esse é o lema de um grupo de pesquisadores do Campus de Aquidauana da UFMS (CPAQ), que está investigando os modos de vida animal e vegetal presentes na Serra de Maracaju e no Pantanal Sul-Mato-Grossense.

A pesquisa recebeu o título de “Flora e fauna da Serra de Maracaju e Pantanal: conhecer para preservar” e está sendo desenvolvida desde 2013. A professora Camila Aoki (UFMS/CPAQ), coordenadora do projeto, destacou alguns acontecimentos do projeto durante esses anos. “Já realizamos reuniões, coleta e análise de dados, confecção de relatórios e artigos científicos, além de apresentações de trabalho em eventos científicos e publicações”, disse a docente.

O objetivo do projeto é propor o inventário de vários grupos da flora e fauna da região estudada. “Propomos o inventário de vários grupos da flora e fauna, como as plantas terrestres e aquáticas, abelhas, borboletas, formigas, libélulas, escorpiões, pseudoescorpiões, aves, anfíbios, répteis e mamíferos, por esta razão as metodologias são muito diversificadas”, explicou Camila.

A professora destaca a importância de se estudar as espécies de determinadas regiões, como meio fundamental para a recuperação ou conservação da fauna e flora. “A realização de estudos básicos, dentre eles o levantamento das espécies de uma dada região, é considerada fundamental, pois é o único meio de se conhecer a real diversidade da flora e fauna brasileiras. Apenas a partir da produção de listas de espécies, sua correta identificação e manutenção da biodiversidade amostrada em herbários e coleções zoológicas, pode-se contribuir para o estudo dos demais atributos da comunidade e subsidiar programas para sua recuperação ou conservação”, contou a docente.

Camila também alerta para a necessidade de se estudar a região sul-mato-grossense, até mesmo por falta de estudos regionais. “Sabe-se, contudo, que há uma forte discrepância entre as regiões quanto ao conhecimento sobre biodiversidade, e a região Centro-Oeste é carente de informações sobre sua flora e fauna. Essa situação se agrava em Mato Grosso do Sul, onde os inventários de vários grupos animais são escassos ou totalmente inexistentes e a coleta de material botânico por quilometro quadrado é a menor dentre os estados brasileiros. Desta forma, é premente a realização de estudos cujo objetivo seja o conhecimento da biodiversidade da região, como este desenvolvido por discentes e docentes ligados ao Grupo de Estudos em Biodiversidade do Cerrado e Pantanal”, explicou a professora.

Por fim, a pesquisadora relata que importantes registros já foram produzidos a partir do projeto. “Com o desenvolvimento deste estudo, foram realizados registros de novas ocorrências para o Mato Grosso do Sul, como das libélulas Aphylla molossus, Erythemis mithroides e Oxyagrion basale, e das borboletas Adelpha pleasure, Callicore astarte, Callicore excelsior, Fountainea eurypyle, Mestra hersilia, Taygetis mermeria, Yphthimoides saltuensis e Zaretis isidora”, finalizou Camila.

Além de Camila, participam da pesquisa outros docentes do Campus de Aquidauana, como Bruna Gardenal Fina Cicalise, Edihanne Gamarra Arguelho, Ricardo Henrique Gentil Pereira, Rogerio Rodrigues Faria e Tatiane do Nascimento Lima. Também participam diversos acadêmicos e recém-egressos, muitos deles participantes dos programas de iniciação científica e à docência, como Adriano José N. Amorim, Alessandra da Silva Costa, Amanda Padilha de Almeida, Ana Carolina Ferreira, Alerrandra Ortega Nobre, Bruna Kayela da Costa Fonseca, Danielson Costa Lima, Dannyellen Freitas de Barros, Eder Arruda Insauralde, Erika Rozendo Cedreira, Eriki Miller Lima Luiz Paiva, Emilyn Silva Martins, Hilary Romeiro, Jackeline Pereira da Silva, Jéssica dos Santos Silvério de Sá, Karina Rocha de Oliveira, Maicon Marcelo Macena, Mariele Trindade Silva Arrua, Noêmily Christy Alves, Rebeka Jakeliny Maciel Rabello, Rosiete Francisco Paiz e Suelen Martins Gonçalves.

Além desses, alguns pós-graduandos e recém-mestres também participam do projeto. São eles: Alessandra dos Santos Venturini do Prado, Aline da Conceição Gomes, Bruna Alves Coutinho, Bruno Arguelho Arrua, Crisley Helena Simão, Edivaldo Oliveira de Souza, Joana Roxinski Teodoro, Kariny Goes, Lidianei dos Santos Savala, Maria Beatriz Kiomido Mendonça, Maria Helena da Silva, Maycon Velasco de Melo e Renata Mariano.

O projeto integra pesquisadores de diversos câmpus da UFMS e envolve colaborações de docentes da Universidade Estadual de Goiás, Universidade Federal da Grande Dourados, Universidade Federal de Minas Gerais, Universidade Federal do Paraná, Universidade Federal de Santa Catarina e colaborações internacionais (Muséum National d’Histoire Naturelle e Universidade Nacional de Asunção).

Mais informações sobre a pesquisa podem ser obtidas diretamente com a coordenadora do projeto, professora Camila Aoki, pelo e-mail camila.aoki@ufms.br.

Deixe a sua opinião

VEJA TAMBÉM

ÚLTIMAS

Resgate

Bombeiros resgatam família cercada pelo fogo em sítio às margens do Rio Paraguai

A família foi retirada da área de risco e levada em segurança para a embarcação, sob os cuidados do subtenente Valdeci

Economia

Mega-Sena sorteia neste sábado prêmio acumulado em R$ 47 milhões

Sorteio será realizado a partir das 20h, horário de Brasília

Voltar ao topo

Logo O Pantaneiro Rodapé

Rua XV de Agosto, 339 - Bairro Alto - Aquidauana/MS

©2024 O Pantaneiro. Todos os Direitos Reservados.

Layout

Software

2
Entre em nosso grupo