X
Estado

Termo prevê restituição de valores em ações de saúde

Documento foi assinado entre Defensoria Pública de MS e Procuradoria do Estado

Divulgação

A Defensoria Pública de Mato Grosso do Sul e a Procuradoria-Geral do Estado (PGE) assinaram na manhã desta quinta-feira (11) um termo de cooperação com o objetivo de padronizar, de forma extrajudicial, o ressarcimento de valores referentes à aquisição de medicamentos, tratamentos, suplementos alimentares ou insumos. As devoluções são relativas a decisões judiciais transitadas em julgado.

O defensor público-geral, Pedro Paulo Gasparini, destacou a importância de instituições como a DPMS e a PGE discutirem juntas o fortalecimento de políticas públicas.

“Este é mais um convênio e mais uma oportunidade do Estado do MS dar o serviço na saúde à população e quando a Defensoria e PGE sentam em volta de mesa como esta e discutem o fortalecimento de uma política públicas, para nós é muito gratificante. Muitos não compreendem os lados antagônicos que estamos e é natural que assim o faça porque todo mundo faz um trabalho bem feito, mas o que a gente busca, o que todos nós buscamos, é a melhor prestação para quem nos procura. Então, seja a pessoa procurando um atendimento numa UPA, num posto de saúde, num hospital, através da Defensoria, quando não consegue resolver os seus problemas. Então, isso é mais uma demonstração do empenho do Governo do Estado de realmente resolver, enquanto a gente não chega naquele ideal, onde nós, operadores do Direito, não precisamos nos habilitar nessas questões, mas é uma forma da rápida devolução. Então, eu vejo com muita alegria este convênio, porque eu tenho certeza que a gente vai avançar cada vez mais em prol da população”, pontuou o defensor-geral.

Também participaram da celebração, a coordenadora do NAS, defensora pública Eni Diniz, e a gestora do Setor de Projetos e Convênios, defensora pública de 2ª instância Renata Bernardes Leal.

O termo assinado garantirá a restituição de valores referentes à aquisição de medicamentos, tratamentos, suplementos alimentares ou insumos que tenham sido adquiridos por assistidas e assistido diante de eventual inadimplência estatal no fornecimento.

É importante destacar que ressarcimento pleiteado por assistidas e assistidos da DPMS não deverá ser superior a R$ 5 mil. Além disso, somente será considerado inadimplemento quando não houver justificativa pertinente do Estado pertinente.

O Termo de Cooperação terá a vigência de 24 meses, podendo ser prorrogado conforme a vontade dos partícipes, mediante Termo Aditivo.

Deixe a sua opinião

VEJA TAMBÉM

ÚLTIMAS

Polícia

Idoso é vítima de estelionato em Anastácio

Vítima recebeu ligação de falso gerente de banco

Emprego

FAB abre processo seletivo de cabos temporários para trabalhar no RS

São 224 vagas de nível fundamental

Voltar ao topo

Logo O Pantaneiro Rodapé

Rua XV de Agosto, 339 - Bairro Alto - Aquidauana/MS

©2024 O Pantaneiro. Todos os Direitos Reservados.

Layout

Software

2
Entre em nosso grupo