MPF/MS investiga contaminação em rio que abastece Dourados

Análise da água deverá ser realizada quinzenalmente

27/01/2014 16:25


Decisão liminar obtida pelo MPF (Ministério Público Federal) e MP/MS (Ministério Público Estadual) determina a análise quinzenal da água consumida pela população de Dourados, segunda maior cidade de Mato Grosso do Sul, com 207 mil habitantes. A análise deverá ser realizada na água do Rio Dourados e nas fontes subterrâneas da região. O objetivo é apurar possível relação entre a contaminação da água por resíduos de agrotóxicos provenientes das lavouras e a saúde dos moradores do município.
 
As análises devem ser feitas pelo Governos Federal e de MS e pela Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária), sob pena de multa diária de R$ 100 mil, até que se implemente efetivamente a pesquisa de resíduos de agrotóxicos no Lacen/MS (Laboratório de Saúde Pública do Estado de Mato Grosso do Sul).
 
O consumidor também deverá ser informado sobre os resultados das análises através das contas de água emitidas pela Sanesul (Empresa de Saneamento do Estado de Mato Grosso do Sul).
 
Água contaminada
 
A contaminação do Rio Dourados foi identificada pelo Laboratório de Saúde Pública do Paraná, no período de janeiro a agosto de 2010, pois o Lacen/MS não possui estrutura técnica e de pessoal para realizar a identificação dos componentes tóxicos na água. 
 
Foi encontrada a presença do agrotóxico clorpirifós etílico - inseticida, pesticida e formicida, classificado como altamente tóxico pela Anvisa - e o temefós - larvicida comumente utilizado contra proliferação de mosquitos. Não somente o consumo de água com esses produtos é prejudicial à saúde, como também afeta a alimentação dos peixes do rio, que concentram altos níveis das substâncias nocivas.

redação