Polícia Militar evita que mulher caia em golpe do falso sequestro

Major Daniel orienta como não cair em golpes dessa natureza

20/08/2015 14:16


 Uma ligação anônima informando o falso sequestro de um menino desesperou uma mãe e mobilizou a Polícia Militar de Aquidauana na manhã desta segunda-feira (17).
 
Segundo a Polícia Militar, uma pessoa ainda não identificada ligou para uma mulher que não terá a identidade revelada para preservar sua imagem, disse que estava com o filho dela, horário que ele está na escola e ameaçou matar a criança. O falso sequestrador pediu R$ 2 mil reais para liberar o filho.
 
A partir daí o desespero começou. A mulher levantou a quantia pedida com um parente e muito nervosa disse que não poderia falar do que se tratava. O familiar vendo o estado em que ela se encontrava, ligou para o marido que de imediato ligou no 190. No mesmo momento a PM recebeu a ligação de uma funcionária da Lotérica Atlântico, ao lado do Banco do Brasil, informando que uma mulher chegou muito nervosa e chorando ao local querendo efetuar um depósito. Vendo a situação, a funcionária se recusou a efetuar a transação bancária.
 
De imediato o policial militar que recebeu a ligação avisou as demais lotéricas da cidade informando o caso e orientando para que não deixasse a vítima depositar a quantia e também acionou as guarnições para encontrar a mulher.
 
Muito nervosa se deslocou para Lotérica Trevo da Sorte, localizada na Rua Estevão Alves Correa, o funcionário a identificou e avisou a polícia que ela se encontrava no local. Imediatamente a PM chegou e levou a mulher até a escola do filho, onde ela o encontrou bem e em sala de aula.
 
A vítima foi encaminhada para a Delegacia de Polícia Civil de Aquidauana para registrar boletim de ocorrência.
 
O Major Daniel, do Comando Policial da Área 3, orienta que, pessoas que receberem esse tipo de ligação, procurem manter o equilíbrio, não forneçam nenhuma informação pessoal e confirmem o paradeiro da suposta pessoa que foi sequestrada. ?Mesmo que seja uma suposta ameaça, tem que manter a calma, filtrar as informações e não repassar nenhum dado. O bandido não quer dar tempo da vítima racionar, mas desligue o telefone e ligue para a pessoa e se certifique que está tudo bem e acione a polícia via 190?, frisou.
 
Caso o bandido tente manter a pessoa na linha, a orientação do Major é que se ?enrole? a conversa e avise alguém para confirmar se a suposta vítima está bem. Outra pontuação do policial é sobre exposição nas redes sociais. ?É fonte fácil de informação, fonte de pesquisa para saber tudo sobre uma pessoa. O ideal é não publicar sobre localização, quando for viajar, publicar as fotos na volta, restringir ao máximo as informações pessoais?, orientou.

Giselli Figueiredo - da Redação