Do desespero à depressão, muitos buscaram ajuda na praça

CAPS ficou pouco tempo no local, peça indispensável para acolher psicologicamente os que procuraram ajuda

19/09/2015 13:47


Nesta sexta-feira (18) durante todo o dia, jovens da Igreja Batista Central estiveram na Praça dos Estudantes em Aquidauana, engajados em uma ação de prevenção ao suicídio. Trazer para Aquidauana o ?Projeto Labirinto ? Suicídio precisamos ouvir sobre isso?, foi iniciativa da fotógrafa Raysa Lopes da Rocha, que resolveu fazer a diferença e encabeçou a campanha.
 
Segundo ela, do desespero à depressão, muitas pessoas foram até a praça querendo ser ouvidas, buscando ajuda. ?O que essas pessoas precisam é serem ouvidas, eu não sou profissional da saúde, mas a atenção que eu e meus amigos demos a essas pessoas com certeza fará a diferença na vida delas. Uma palavra de conforto, um conselho, um abraço, é isso que falta?, contou.
 
Como parte do projeto, foi montado um labirinto, intitulado de ?labirinto da vida, sempre há uma saída?, onde a pessoa podia entrar e de maneira lúdica foi mostrado sobre alternativas de superar esses males contemporâneos. Enfrentando um calor de quase 40ºC, os jovens também fizeram pedágio nos semáforos com cartazes e distribuição de panfletos.
 
Raysa disse que ficou animada com a procura, isso mostra que as pessoas buscaram ajuda, mas uma situação a deixou preocupada, já que um dos parceiros, o Centro de Atendimento Psicossocial ? CAPS ficou pouco tempo no local, peça indispensável para acolher psicologicamente os que procuraram ajuda.
 
?Foi frustrante, nós da Igreja Batista não somos especialistas, era importante o pessoal do CAPS ter permanecido na praça para atender, encaminhar para um profissional, esse era o objetivo da parceria?, frisou a fotógrafa. A reportagem do Site O Pantaneiro esteve presente durante toda a tarde no evento e constatou a ausência da equipe da Prefeitura. Nós tentamos contato com a Gerência Municipal de Saúde para saber o motivo da pouca permanência, mas ninguém atendeu as ligações.
 
Mesmo diante dos contratempos, a jovem disse que não vai desistir e continuará trabalhando para diminuir ou até mesmo zerar o número de ocorrências voltadas para o suicídio.
 
Conforme estatística da Polícia Civil, no período de 1º de janeiro de 2014 a 31 de julho de 2015, ou seja, um ano e meio, nos dois municípios foram registrados 22 casos, 19 consumados e 03 tentados, sendo que na grande maioria o instrumento utilizado foi corda ou semelhante, por enforcamento.
 
Nesta última semana, foram registrados 5 ocorrências de tentativas de suicídio na região. O mais preocupante é que todas as vítimas têm menos de 20 anos.

Giselli Figueiredo - da Redação