Mulher de 37 anos é morta a facadas pelo marido

Homem não foi ouvido pois estava entorpecido por perfume, diz polícia. Corpo da vítima continuava no IML na manhã desta quarta-feira (6).

06/04/2016 11:20


O marido, de 41 anos, preso em flagrante na tarde de terça-feira (5) após matar a mulher, de 37 anos, a facadas na residência do casal no bairro Campeche está detido na Central de Plantão Policial (CPP) em Florianópolis na manhã desta quarta-feira (6), enquanto aguarda uma vaga em um presídio. De acordo com a polícia, ele não tinha antecedentes por agressões à mulher.
 
Conforme o delegado Atílio Guaspari Filho, o crime é um caso de feminicídio. ?Quando o autor se aproveita do fato de a vítima ser mulher para matar, classificamos o homicídio qualificado como feminicídio. O Luciano Costa Barbosa ainda não foi ouvido, porque ao sair do hospital, estava visivelmente entorpecido pelo perfume ingerido para tentar suicídio?, explicou o delegado.
 
Pena
 
Segundo Guaspari Filho, para este crime, o autor pode ser condenado a uma pena de 12 a 30 anos de prisão. ?Ele não tinha antecedentes por agressões à mulher. Verificamos apenas que havia cometido o crime de estelionato no estado de São Paulo anos antes?, comentou.
 
O corpo da vítima, Priscila Borges Barcellos, estava no Instituto Médico Legal da capital catarinense na manhã desta quarta, onde aguardava por familiares para ser encaminhado aos atos fúnebres.
 
Motivação
 
A Polícia Civil acredita que o assassinato de Priscila, morta a facadas após ser mantida refém pelo marido  foi premeditado e motivado por ciúmes.
 
"Ele já havia premeditado esse crime. Ele pediu para a filha dele, na data de ontem [segunda], não comparecer à residência hoje [terça]. Hoje mandou mensagem, através do celular da vítima, para a  ilha, pedindo desculpas pelo que ele teria feito. E mandou uma imagem da vítima já morta para um suposto amante", disse o delegado.
 
Segundo a Polícia Militar, Barbosa chegou a manter a mulher refém com uma faca dentro de casa antes de matá-la.
 
A família é paulista e morava há seis anos em Florianópolis.
 
Pedidos de socorro
 
A PM foi acionada às 12h18, por pessoas que ouviram a mulher pedindo socorro. Eles estariam brigando dentro da residência. "Ouvi uma pessoa gritando: ai, socorro, ai, para, para", contou a vizinha Ivete de Souza.
 
Um outro vizinho do casal informou à RBS TV que a mulher gritava muito e que depois os gritos pararam, antes de a polícia chegar. "Dali a um pouco, ela silenciou. A polícia chegou, tentaram abria janela e ele não deixava, botava a madeirinha ali [na janela]", contou o rapaz, que não quis se identificar.
 
Uma viatura do Serviço Móvel de Urgência (Samu) também foi chamada, conforme a PM. Militares do Batalhão de Operações Especiais (Bope) tentaram negociar com o homem enquanto eles estavam trancados dentro de casa, mas ele esfaqueou a mulher no pescoço. Priscila morreu no local.
 
A PM não conseguia ver a vítima e o homem durante a tentativa de negociação, que durou 30 minutos. Conforme a RBS TV, a vítima e o homem não respondiam à polícia. Após muitas tentativas de conversar, sem respostas, a polícia jogou uma bomba de efeito moral dentro da casa por uma janela, informou o vizinho à RBS TV.
 
Após jogar a bomba, a equipe do Bope entrou na residência e encontrou o casal no chão, informou um agente da Polícia Civil à equipe da RBS TV. A mulher já estava morta.
 
Perfume para matar
 
De acordo com a a 3ª Companhia da PM, no Campeche, o suspeito ingeriu perfume após matar a mulher. Ele passou mal e foi levado pelo Samu para o hospital.
 
A filha do casal chegou à residência após o crime e informou à polícia que eles brigavam constantemente por ciúmes. Por isso, a polícia acredita que essa seja a motivação do crime. A perícia deve ficar pronta em dez dias.

G1