Emprego

Mochi aposta em qualificação para evitar ‘mão-de-obra importada’

Ele pretende criar 50 mil empregos por meio de incentivos fiscais

08/09/2018 07:38


O candidato ao Governo de Mato Grosso do Sul, Junior Mochi e a vice, Tania Garib, propõem maior investimento em qualificação para fomentar a geração de emprego e renda no Estado. Tanto Mochi quanto Tania Garib querem evitar o que aconteceu no município de Três Lagoas, quando cerca de 15 mil pessoas, foram importadas para garantir o desenvolvimento da região leste.

“Ultimamente, nós temos vistos que com a crise que assola o País e Mato Grosso do Sul também muitas pessoas ficaram desempregadas. Enquanto se discute a vinda de indústrias para o Estado, nós vamos trabalhar na qualificação de pessoas”, explicou Tânia Garib.

E continuou: “nós precisamos qualificar a nossa população para empregos aqui? Sim! Para empregos e trabalho em Mato Grosso do Sul, do profissional quer trabalhar de forma autônoma, daquele que quer conseguir emprego em uma indústria, daquele que quer ser um servidor público competente”. Para Tania é preciso “temos que pensar não para quatro anos, mas para 20 anos”.

50 mil empregos

Junior Mochi (MDB) pretende criar 50 mil empregos por meio de incentivos fiscais. “Precisamos efetivar o desenvolvimento do Estado a partir da regionalização”. O candidato explica que vai “efetivar o desenvolvimento a partir da regionalização. Incentivar as vocações naturais de cada região a partir de três olhares: atividades impróprias, restritas e recomendadas. E, a partir daí, incentivar o que for recomendado para cada lugar”.

Mochi ainda pretende trocar imposto por emprego. “Nós temos R$ 8 bilhões inscritos em dívida ativa. Vamos fazer uma proposta, submeter à Assembleia Legislativa e ao Confaz (Conselho Nacional de Política Fazendária) as empresas que quiserem se regularizar, terão abatimento número da multa proporcional aos de empregos formais que gerarem. Esperamos gerar 50 mil empregos de imediato”.


Assessoria