Policial

Comparsa de serial killer é condenado em mais de 13 anos de prisão

Por maioria de votos declarados, o Conselho de Sentença condenou o acusado nos termos propostos pela Ministério Público

15/09/2018 08:53


Foi condenado, na tarde desta sexta-feira (14/9), o réu Michel Henrique Vilela Vieira à pena de 13 anos e 1 mês de reclusão, pelo crime de homicídio qualificado e ocultação de cadáver pela morte de “Café” ou “Neguinho”. O julgamento foi realizado na 2ª Vara do Tribunal de Júri de Campo Grande e presidido pelo Juiz de Direito Aluizio Pereira dos Santos.

Na ocasião, o Ministério Público de Mato Grosso do Sul, representado pelo Promotor de Justiça Douglas Oldegardo Cavalheiro dos Santos, requereu a condenação do acusado no crime de homicídio qualificado e ocultação de cadáver.

A defesa foi feita pelo Defensor Público Ronald Calixto Nunes que sustentou a tese da absolvição genérica, a exclusão das qualificadoras e a causa de diminuição da pena.

Por maioria de votos declarados, o Conselho de Sentença condenou o acusado nos termos propostos pela Ministério Público.

Após decisão do Conselho de Sentença, o Juiz de Direito condenou Michel Henrique Vilela Vieira a 13 anos e 1 mês de reclusão e 13 dias-multa, à razão de 1/30 (um trigésimo) do salário mínimo vigente à época do delito. O regime de pena é o fechado.

Caso

Em abril de 2016, em um "Lixão" localizado no Jardim Veraneio, de Campo Grande, Michel Henrique Vilela Vieira juntamente com outros réus Luiz Alves Martins Filho, o Nando e Jean Marlon Dias Domingues, usando corda, chave de fenda e uma faca, matou duas pessoas, cujos apelidos eram: “Café” ou “Neguinho”, que até hoje não foi identificado. Nando e Jean Marlon Dias Domingues já haviam sido condenados pelo mesmo crime.


MPMS