Eleições 2018

Segunda-feira será marcada por negociações de 2º turno

Ex-candidatos ao governo vão definir quem apoiar dia 28

08/10/2018 10:19


Com o segundo turno definido entre o governador Reinaldo Azambuja (PSDB) e o juiz federal aposentado Odilon de Oliveira (PDT), o dia será de reunião dos candidatos que ficaram de fora da corrida eleitoral. Ao todo, os eleitores de Mato Grosso do Sul tiveram de escolher entre seis nomes para o governo do Estado, sendo: Junior Mochi (MDB), Humberto Amaducci (PT), Marcelo Bluma (PV) e João Alfredo (PSOL).

Com o terceiro lugar no primeiro turno, o deputado e presidente da Assembleia Legislativa de Mato Grosso do Sul (ALMS), Junior Mochi, teve 149.234 votos e ainda vai conversar com o partido sobre quem deve apoiar. “Amanhã vamos sentar, avaliar o resultado e ver quais são nossas ações. Eu acho que foi um excelente desempenho considerando o momento em que entramos. Sempre temos a expectativa de estar no segundo turno, até pela forma como as pessoas nos atenderam, nossos adversários não foram os candidatos, mas foi o tempo”, disse, ressaltando que registrou sua candidatura no último dia permitido pela Justiça eleitoral.

Mesmo o MDB tendo apoiado o PSDB em 2014, quando Azambuja foi para o segundo turno com o ex-senador Delcídio do Amaral (PTC), Mochi disse que ainda vai falar com os demais filiados. “Não liguei para ninguém. Saí do TRE e vim ao diretório agradecer, estava todo nosso pessoal. Agora [ontem], vou para minha casa, falar com meus filhos”, disse.

Em quarto lugar, com 130.068 votos, Amaducci também disse que vai se reunir hoje em Campo Grande como os colegas de partido para definir quem deve apoiar. “Eu estou na chácara e não tenho muito como ligar. Tive muito voto, sai de uma cidade mais distante da capital e sair com uma votação. As pesquisas apontavam de 2%, 3% e chegamos a 10% é uma boa avaliação. Essa semana vamos fazer pronunciamento para toda imprensa”, afirmou. 

Ficando em penúltimo lugar o candidato Marcelo Bluma também deve se reunir com seus aliados políticos amanhã. Ele disse que além dos filiados ao PV, vai chamar os partidos da coligação para definir um apoio. “Vamos fazer uma reunião com os partidos das coligações para avaliar o resultado e avaliar a possibilidade da nossa posição com o segundo turno. Tentar tirar uma posição única da coligação. Com todas as dificuldades e pequena estrutura nós crescemos com relação a eleição passada, ampliamos o passos políticos”, avaliou. 

Em último lugar, João Alfredo teve apenas 8.095 votos, ele destacou que não se interessa em declarar apoio a nenhum dos candidatos que ficaram para o segundo turno em Mato Grosso do Sul, mas que vai falar com o partido. “Vamos conversar, em princípio não tenho razão para apoiar nenhum dos dois. Diante do meu pouco recurso, pouco tempo de visibilidade e nunca ter participado e o fato de ter dado soa positiva”, disse.


Correio do Estado