Região

Ações de combate a incêndio no Pantanal são reforçadas e PMA fiscaliza origem dos focos

Ministério da Defesa destacou equipes e aeronaves para ajudar no combate

08/08/2020 07:16


Em uma semana o número de focos de calor na região do Pantanal saltou de 52 para 194, apesar do trabalho incessante e eficiente dos bombeiros e brigadistas nas ações de combate aos incêndios. O tempo seco favorece o surgimento de novos focos que podem ter origem criminosa, já que as queimadas – mesmo controladas – estão proibidas por três meses. Sendo assim, a PMA (Polícia Militar Ambiental) está intensificando a fiscalização para identificar e punir os responsáveis.

Os dados da Operação Pantanal foram apresentados na manhã de quinta-feira (7), em reunião na Semagro (Secretaria de Meio Ambiente, Desenvolvimento Econômico, Produção e Agricultura Familiar) com o secretário Jaime Verruck, o comandante da PMA, tenente coronel José Carlos Rodrigues; o tenente coronel Waldemir Moreira Junior, do Corpo de Bombeiros, e a coordenadora do CEMTEC/MS (Centro de Monitoramento do Tempo e do Clima), Franciane Rodrigues.

“Toda ação de combate tem sido extremamente eficiente, mas em função das condições climáticas nós temos um aumento sistêmico desses focos, inclusive nessa semana alterando um pouco o perfil. A situação ainda é extremamente crítica e nós vamos monitorar nos próximos três meses, permanentemente, porque nós sabemos que há uma sinalização de chuva a partir do dia 16, o que deve nos ajudar muito, mas não será suficiente para que a gente encerre a questão dos incêndios”, disse Verruck.

No dia 24 de julho o governador Reinaldo Azambuja decretou Situação de Emergência Ambiental na região do Pantanal em decorrência dos incêndios, que castigam sobretudo moradores de Corumbá. A cidade tem sido encoberta por nuvem de fumaça, piorando a qualidade do ar que já está bastante comprometida pela baixa umidade.

Com o agravamento dos incêndios o Ministério da Defesa destacou equipes e aeronaves para ajudar no combate, entretanto novos focos surgem a cada dia, sobretudo na parte mato-grossense do Pantanal. “Em Mato Grosso do Sul tem três focos principais: Kadwéus em Porto Murtinho, Corumbá e Ladário e Porto Jofre na Serra do Amolar. Agora temos uma ação integrada com Mato Grosso, todas as equipes do Ministério da Defesa, Corpo de Bombeiros e Prev Fogo atuando no bioma Pantanal dos dois Estados”, completou o secretário.

O comandante da PMA, tenente coronel José Carlos Rodrigues, anunciou reforço nas ações de fiscalização no Pantanal para reprimir as queimadas. Segundo ele, só nesse ano a PMA já emitiu mais de R$ 1 milhão em multas só pelo crime relacionado a queimadas não autorizadas.

A Operação Pantanal conta com a coordenação da Marinha, em Corumbá, e pela primeira vez tem apoio do Ministério da Defesa. “O Ibama sempre nos ajudou nessas ações de combate aos incêndios, mas pela primeira vez temos o apoio do Ministério da Defesa com um suporte de cinco aeronaves. Nunca tivemos uma estrutura tão forte como agora, até porque, a situação assim o exige”, frisou Verruck.

Todas as sextas-feiras será feito balanço das ações da Operação Pantanal, essa foi a segunda reunião com essa finalidade e o secretário Jaime Verruck anunciou que as próximas serão transmitidas pela Internet para facilitar o acesso às informações sem a necessidade de a imprensa ir até o local.


Assessoria