Política

Deputados rejeitam pedido de impeachment do presidente do Paraguai

Oposição acusa o presidente, Mario Abdo Benítez, e o vice-presidente, Hugo Velázquez, por suposta corrupção e "mau desempenho" diante da pandemia de covid-19

18/03/2021 07:51


A Câmara dos Deputados do Paraguai rejeitou nesta quarta-feira (17) o pedido de impeachment do presidente, Mario Abdo Benítez, e do vice-presidente, Hugo Velázquez, por suposta corrupção e "mau desempenho" diante da pandemia de covid-19.

O julgamento foi solicitado pela minoria da oposição, mas o partido no poder, o Colorado, imediatamente convocou uma sessão extraordinária para debater as acusações. A rejeição ao pedido de impeachment contou com 42 votos a favor, 36 contra e dois deputados se ausentaram.

Para apresentar outro pedido de impeachment, a oposição terá que esperar um ano. Após o anúncio do resultado da votação, manifestantes opositores foram às ruas e entraram em confronto com a polícia que resultou em pelo menos uma dezena de feridos.

O agravamento da pandemia de covid-19, que na última quinzena lotou hospitais no Paraguai, protegeu o governo contra protestos por falta de remédios e denúncias de corrupção. A polícia conseguiu neutralizar os manifestantes, que apesar da repressão conseguiram atear fogo em uma parte da sede do Partido Colorado no centro de Assunção, assim como em vários veículos nos arredores.

Os manifestantes denunciam atos de corrupção, bem como a falta de medicamentos e vacinas em meio à pandemia covid-19, que nas últimas semanas foi responsável pelo colapso dos hospitais no Paraguai.

Com sete milhões de habitantes, o Paraguai recebeu 4 mil doses da vacina Sputnik V adquirida da Rússia, além de 20 mil da Sinovac chinesa doadas pelo Chile, destinadas a profissionais de saúde. A pandemia já causou a morte de 3.588 pessoas e 185.888 infecções no país, desde que o primeiro caso foi notificado há um ano.

Os opositores, liderados por Efrain Alegre, líder do partido Liberal e adversário de Abdo nas eleições presidenciais de 2018, anunciaram que vão buscar a saída do governante por meio de pressão popular. Centenas de pessoas participaram de protestos antigovernamentais na semana passada, mas os altos níveis de contágio do coronavírus enfraqueceram as manifestações. 

Em uma mensagem do Vaticano ao Paraguai, o Papa Francisco pediu paz no país.


Uol