Informe

Amor pela bocaiúva transformou Fazenda Santa Avó em polo da frutinha mais pantaneira de todas

18/11/2021 07:30


A distância de 433 quilômetros pode ser de se estranhar, mas o amor pelo bocaiúva é o mesmo da região pantaneira: é que na Fazenda Santa Avó, localizada no bairro do Laranjal, em Nova Andradina, se preocupa – e muito – com a  frutinha mais sul-mato-grossense de todas.

O que antes tinha como produção o gado de corte e a ovinocultura, hoje em dia fez a Fazenda Santa Avó se transformar em um santuário da bocaiúva – conhecida também pelo nome de macaúba, se preferir.

E a natureza encontrou na Fazenda Santa Avó o seu melhor caminho: são mais de 700 hectares de área verde com aproximadamente 10 mil pés de palmeira nativa. Uma beleza!

Assim é a Fazenda Santa Avó. De tão denso e "aflorado", o terreno ganhou uma floresta repleta de bocaiuveiras. E as possibilidades econômicas são tão intensas quanto o sabor delicioso da frutinha.

"Cada palmeira pode produzir até 100 quilos de fruto por ano, o que equivale a mais de 1 saca (por pé) anualmente. Por hectare, o potencial da bocaiúva é chegar a 50 mil quilos de produção".

A descrição acima em números preciosos é de Helbert Duarte (envie uma mensagem pelo WhatsApp), o agricultor e filho da Fazenda Santa Avó. Inclusive, este mês de novembro é o mais intenso do ano na produção de bocaiúvas: é chegada a hora da colheita.

O que ele faz em família – ao lado da esposa Rejane Bogada Figueiredo, da irmã Anne Walquiria Duarte e do cunhado José Vitor Delanora – é manter o orgulho dos pais, seu Canrobert e dona Rosely Duarte.

Os sertanejos da Fazenda Santa Avó foram um casal de apaixonado e defensor do meio-ambiente, encontrando na bocaiúva valor, renda, cultura e afeto.

No passar de 10 anos, todos da família Duarte viram florescer parte do campo intocado da Fazenda Santa Avó, solo regenerado que hoje se trata da plantação de bocaiuveiras.

Bocaiúva é alimento, mas também é sustentabilidade para a Fazenda Santa Avó. Da matéria-prima, retira-se farinha para consumo humano, ração animal, azeite/óleo, biodiesel, carvão mineral e até vira base para diversos tipos de cosméticos.

Sem falar nos doces, nas cachaças, nos pães, salgados, pratos e quitutes. São diversas receitas que o universo de uma pequena frutinha redonda, de cor esverdeada e manchadinha, proporciona para uma família inteira da Fazenda Santa Avó – e você também pode fazer parte disso.

Venha se apaixonar pela bocaiúva com a Fazenda Santa Avó!

Bocaiúva: Palmeira da Paz

Assim como a Fazenda Santa Avó, o projeto de extensão da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS) impulsiona o estudo e a a economia sul-mato-grossense com “ajuda” da frutinha sul-mato-grossense.

Os produtos relacionados à bocaiúva – como por exemplo a sua farinha – integram natureza e bioma à inovação e sustentabilidade, por meio do comércio que associações aquidauanenses e da região pantaneira conhecem bem.

Mande um e-mail e agende uma visita na Fazenda Santa Avó!

Na Fazenda Santa Avó, o intuito é digno: aproximar municípios, dialogar com fronteiras e mostrar que a bocaiúva é mais que uma frutinha bonita:

Leva o verde do bom negócio.


Informe Publicitário