Compartilhado

Das mãos de crianças, cartas escritas com palavras sinceras voam para aqueles que partiram de Covid

27/11/2021 08:22


Já diz o ditado "quem canta, seus males espanta". Particularmente, adicionaria o seguinte: quem escreve uma carta, coloca nas palavras o que está dentro do peito. Assim foi para um grupo de jovens alunos da Escola Estadual Coronel José Alves Ribeiro (Cejar), em Aquidauana, na tarde de ontem (26).

Ao tirar do coração o sentimento guardado, pandêmico, da tristeza de perder alguém para a Covid-19 ou de simplesmente estar vivendo esse momento difícil, o grupo de estudantes investiu no papel e lápis com uma pitada de carinho e esperança, e ainda de quebra ergueu aos céus os seus escritos.

Momento em que os alunos soltaram os balões com suas cartinhas (Foto: Reprodução/Facebook)

Agora, essas cartinhas se encontram no céu juntamente para aqueles entes queridos que partiram tão cedo... mas também vão trazer um calor ao coração onde quer que o balão resolva estacionar e presentear com palavras de esperança.

"O clima de festa emocionou a todos quando os estudantes soltaram os balões que subiram levando amarradas as cartinhas e os textos cujos destinos saberemos à medida que os destinatários se revelarem. Um deles até mesmo já chegou a uma fazenda em Palmeiras, no município de Dois Irmãos do Buriti".

Tudo isso fez parte do projeto interdisciplinar "A carta que voa: palavras de esperança e de conforto em tempo de Covid-19", da gestão da própria escola estadual.

Professor Thiago Barbosa conversando com os estudantes durante a atividade (Foto: Reprodução/Facebook)
Uma das cartinhas, inclusive, já foi presentou dono de propriedade rural em Palmeiras (Foto: Reprodução/Facebook)

Por meio das cartas e da atividade de amarrá-las com barbante, prendendo-as em balões que, na sequência, foram soltos e subiram aos céus, os alunos puderam compartilhar sentimentos, aliviar o peito e – porque não – fazer uma "terapia" coletiva. Afinal, escola também é o lugar da gente compartilhar mais humanidade.

O autor da proposta, professor Andrew Feitosa do Nascimento, teve a parceria de outros professores do colégio estadual – Thiago Barbosa de Brito, Daniella Hernandes de Souza e Gabriela Silvério – e de patrocinadores da região, além do incentivo da própria gestão do Cejar.

A atividade, que aconteceu no pátio da instituição, preencheu com emoção a tarde de sexta-feira. Ao fim, todo mundo curtiu um cachorro-quente. Que jeito bom de curtir a #sextou.


Raul Delvizio