Esportes

Kaká deseja ser pastor evangélico ao fim da carreira

28/11/2007 15:12


O brasileiro Kaká, favorito para vencer a "Bola de Ouro", prêmio dado pela revista "France Football" ao melhor jogador da temporada, afirmou que deseja ser pastor evangélico quando encerrar a carreira no futebol.


O brasileiro Kaká tem uma visita particular a Torre Eiffel, em Paris, marcada para domingo. No mesmo dia, a revista France Football realiza, na capital francesa, a entrega do prêmio Bola de Ouro. A coincidência de ocasiões é, segundo a mídia européia, um indício de que o meia do Milan ficará com o troféu.


Apesar de os organizadores do tradicional prêmio, entregue ao melhor jogador do ano, tratarem o nome do ganhador com absoluto sigilo, a imprensa já da como certa a vitória de Kaká.


No domingo, na Itália, circulou a informação de que o jogador já teria sido avisado de sua conquista. Agora, foi o presidente da entidade que administra a Torre Eiffel, Jean-Bernard Bros, que confirmou a visita do brasileiro ao tradicional ponto turístico.
 
"Gostaria muito, mas precisa de muito empenho. Tem que estudar teologia, seguir um curso, aprofundar as crenças da Bíblia. Um pastor lê a Bíblia e transmite os preceitos", afirmou o brasileiro, em entrevista à publicação mensal italiana GQ.


Kaká, que já revelou muito de sua intimidade (declarou que casou virgem depois de vários anos de noivado), considera que na sociedade atual é muito difícil seguir conceitos escritos há milhares de anos. No entanto, ressalta que o dever de um bom pastor é atualizar os conceitos da Bíblia.


O jogador afirma que cresceu com a educação da Bíblia e, segundo ele, o incidente ocorrido em 2000, quando caiu numa piscina e lesionou a sexta vértebra cervical, nada tem a ver com sua forte crença.


Kaká é freqüentador da Igreja Renascer em Cristo, fundada por Estevão Hernandes e sua mulher, Sônia. Em dezembro de 2006, a Renascer foi abalada pela prisão do casal, em Miami, por tentativa de entrar nos Estados Unidos com quantia em dinheiro maior que a permitida. Desde então, eles vêm sendo acusados de vários crimes pela Justiça brasileira, como sonegação de impostos.


Sobre a vida no futebol, Kaká mostrou insatisfação por ainda não ter ganho uma Copa do Mundo e revelou dois exemplos de jogadores para seguir na luta pela conquista de um Mundial pela seleção brasileira.


"Tenho sempre dois exemplos diante de mim: Paolo Maldini e Billy Costacurta (já aposentado e auxiliar de Carlo Ancelotti no Milan). Paolo poderia ter encerrado a carreira depois da vitória da Liga dos Campeões, em Atenas. Mas, encontrou forças para seguir e ir até o Japão (para o Mundial de Clubes, em dezembro. Eu sou assim também, sempre quero mais conquistas", afirmou o brasileiro, que será pai em 2008.


Aos 25 anos, Kaká diz que tem muito a evoluir ainda no futebol. "Sou ciente de que estou entre os melhores, mas ainda não alcancei o topo. Saber jogar futebol é um dom, se nasce com isso, mas não deixa de ser um trabalho. É assim para músicos, pintores, incluindo jornalistas. Tem que se buscar o melhor sempre".


Sobre o futuro, o brasileiro diz que gostaria de morar na Inglaterra ou Espanha, caso o Milan o negocie. "Em Londres me disseram que se vice bem. Barcelona é um espetáculo e em Madri não tem mar de verdade?", perguntou o meia. 


uol