Política

Marisa Serrano decide amanhã encerramento da CPI mista

14/04/2008 09:59


A presidente da CPI mista (formada por deputados e senadores) dos Cartões Corporativos, a senadora Marisa Serrano (PSDB-MS), marcou uma reunião para esta terça-feira (15) para votar os requerimentos de convocação pendentes. Se os requerimentos forem rejeitados, Serrano promete encerrar sua parte nos trabalhos da comissão.


Ela deve pedir para o relator, deputado Luiz Sérgio (PT-RJ), concluir seu relatório final com os resultados dos trabalhos da comissão.


O encerramento da CPI mista está em linha com a estratégia da oposição de esvaziar as investigações da comissão. O objetivo dos senadores de oposição é focar seus esforços na CPI exclusiva do Senado.


"A senadora Marisa deve conduzir os trabalhos em ritmo de racionalidade e eficácia. Ela vai ordenar os trabalhos para que se possa chegar às conclusões no limite em que ela achar conveniente. Ela é juíza das ações", disse o líder do DEM no Senado, José Agripino Maia (RN), na semana passada.


Para que a nova CPI dos Cartões seja instalada, os líderes partidários precisam formalizar as indicações de seus integrantes. O DEM vai indicar para titulares da CPI os senadores Demóstenes Torres (GO) e Efraim Morais (PB), enquanto o PSDB vai escolher entre os senadores Álvaro Dias (PR) e Marconi Perillo (GO) para a terceira vaga da oposição na comissão.


Para assumir uma das vagas da oposição, Demóstenes terá que abrir mão da relatoria da CPI da Pedofilia do Senado, uma vez que o regimento interno da Casa não permite que um parlamentar ocupe duas comissões de inquérito ao mesmo tempo como titular.


Disputa


A oposição já adiantou que vai brigar pela relatoria ou presidência da nova CPI, embora o governo não esteja disposto a ceder uma das vagas ao DEM ou PSDB. Demóstenes disse que pode abrir mão da relatoria da CPI da Pedofilia caso seja escolhido para também relatar os trabalhos da nova comissão dos cartões.


A determinação dos partidos de oposição é também acirrar a disputa com os governistas na CPI das ONGs (organizações não-governamentais), que investiga repasses do governo federal para essas entidades.


folha on line