X

Idec alerta para excesso de açúcar e presença de aditivos em sucos de fruta

O estudo avaliou a qualidade nutricional das bebidas.

Pesquisa realizada pelo Idec (Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor) com 12 bebidas à base de fruta, comprados em supermercados da cidade de São Paulo, avalia que muitos produtos disponíveis no mercado têm excesso de açúcar, aromatizantes e corantes.

O estudo avaliou a qualidade nutricional das bebidas, baseando-se na presença ou não de açúcar, aromatizantes e corantes, e as informações contidas nas embalagens, conforme a legislação vigente do setor.

Na análise do Idec, o poder da publicidade e do marketing é tão grande que uma simples embalagem pode levar a crer que determinada bebida é tão saudável quanto a fruta in natura que originou o produto. Mas, conforme explica Vera Barral, sanitarista e coordenadora da pesquisa, apenas o consumo de frutas in natura pode proporcionar o aproveitamento total dos nutrientes. "Os processos de fabricação dos sucos eliminam nutrientes. As fibras, por exemplo, raramente são encontradas em sucos", explica ela.

As bebidas industrializadas tendem a conter altos teores de açúcar, como explica o Idec. É o caso dos néctares, que são diluições açucaradas de sucos concentrados. "Chegam a ter cerca de 20 gramas de açúcar por porção de 200 ml, o equivalente a duas colheres de sopa cheias", alerta Vera Barral.

Outro detalhe importante é que um dos corantes contidos em algumas bebidas, a tartrazina, que pode causar reações de natureza alérgica, entre as quais asma brônquica, especialmente em pessoas alérgicas ao ácido acetilsalicílico. Por isso, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) deve editar em breve uma norma obrigando que seja mencionado, com destaque, os efeitos adversos do corante.

Açúcar

O único suco adoçado, o suco tropical de manga Jandaia, traz essa informação apenas na face da caixa escrita em inglês, segundo o Idec. O Decreto nº 6.871/09 determina que a palavra "adoçado" seja acrescentada no rótulo principal do produto, junto ao seu nome. O mesmo deve ocorrer quando o adoçante utilizado for artificial.

Além disso, segundo esse mesmo decreto, a quantidade de sacarose adicionada à bebida deve ser expressa à parte (separado da frutose). Por exemplo, o suco Jandaia de manga informa apenas que uma porção de 200 ml do suco contém 23 g de açúcar (ou seja, são 115 g por litro). No entanto, é impossível saber quanto dessa quantidade é proveniente da própria fruta e quanto foi adicionado.

O Idec não reprovou o produto porque a bebida foi produzida antes de 2 de dezembro de 2009, data de aprovação do decreto, e por isso não precisava seguir tal determinação. Mas orienta o consumidor a ficar atento às bebidas fabricadas depois dessa data.

Aromatizantes, corantes e conservantes

Três bebidas foram reprovadas por não informar a presença de aromatizantes no rótulo, o que contraria a legislação: o suco tropical de manga Su Fresh fit, o néctar de uva Disfrut e o suco Jandaia de manga. As duas primeiras têm aromas naturais em sua fórmula e a terceira tem aroma idêntico ao natural (isto é, sua molécula é quimicamente idêntica à do aroma natural, mas obtida por síntese).

Apenas dois dos produtos avaliados continham corantes: a bebida mista de frutas verdes Skinka, que continha tartrazina; e a bebida de frutas sabor uva Del Valle Frut, que tem os corantes amaranto, tartrazina e azul brilhante. O rótulo de ambos trazia essa informação, como previsto.

O conservante benzoato de sódio está presente em quatro das bebidas analisadas: o suco tropical de maracujá Carrefour, o suco de abacaxi Maravilha, o suco tropical de manga Jandaia e a bebida de frutas verdes Skinka, que ainda contém tartrazina.

Os corantes tartrazina (INS102) e amaranto (INS123), assim como o conservante benzoato de sódio (INS211), são apontados como causadores de reações alérgicas e estão ligados ao aumento de distúrbios de atenção e hiperatividade infantil.

Outro dado que chamou a atenção do Idec é que alguns produtos utilizam ácido ascórbico (a vitamina C) como conservante. O problema é que essa porção de vitamina C extra consta da tabela de informação nutricional, o que pode fazer o consumidor acreditar que aquela bebida é saudável. É o caso do suco tropical de manga Su Fresh fit, do suco de manga Jandaia e da bebida de frutas verdes Skinka. Além disso, os três trazem no rótulo apelos do tipo "rico em vitamina C".

Glúten

O suco de laranja orgânico Ecocitrus foi reprovado por não informar na embalagem que não possui glúten em sua composição. A descrição é fundamental para portadores da doença celíacas, proibidos de consumir essa proteína.

Suco, néctar ou refresco?

O Idec também faz uma crítica à legislação, que dificulta aos consumidores a compreensão do que é suco, néctar ou refresco. O suco é o que tem a maior concentração. Em seguida vem o néctar e, por último, o refresco (também chamado de bebida de fruta). Para o instituto, deveria ser obrigatória a informação na embalagem sobre o teor da polpa de fruta contida no produto.

Deixe a sua opinião

VEJA TAMBÉM

ÚLTIMAS

Ordem do Dia

Alteração nas regras de proibição da pesca do Dourado é aprovada

As sessões da ALEMS são realizadas no Plenário Deputado Júlio Maia

Política

TSE proíbe candidato de impulsionar link com o nome de adversário

Serviço é vendido por motores de busca como o Google

Voltar ao topo

Logo O Pantaneiro Rodapé

Rua XV de Agosto, 339 - Bairro Alto - Aquidauana/MS

©2024 O Pantaneiro. Todos os Direitos Reservados.

Layout

Software

2
Entre em nosso grupo