X

Mulheres são mais afetadas por mudança climática, diz relatório da ONU

O Relatório sobre a Situação da População Mundial 2009, publicado nesta quarta-feira (18) Fundo de População das Nações Unidas, revela que as mudanças climáticas devem provocar impactos mais rigorosos nas mulheres.


O relatório, segundo o fundo, procura inovar ao colocar os problemas do aquecimento global em uma perspectiva humana, questionando como as atuações individuais podem influenciar nos impactos.


Trata-se de "mobilizar o poder de homens e de mulheres para reverter o aquecimento da atmosfera da Terra lançaria uma estratégia global de longo prazo genuinamente efetiva para lidar com a mudança do clima", segundo Thoraya Ahmed Obaid, diretora-executiva do fundo.


Ele conclui que os acordos internacionais e as políticas de cada país para combater os efeitos da mudança do clima terão mais sucesso no longo prazo se levarem em conta as dinâmicas populacionais, as relações entre os gêneros e o bem-estar das mulheres e seu acesso a serviços e oportunidades.


Uma da conclusões é que os impactos seriam minorados por um crescimento populacional mais lento. Mas essa não é a única questão demográfica que influi no aumento de emissões de gases de efeito estufa.


A composição domiciliar é outra variável importante, segundo o relatório. Estudos demonstraram que o consumo de energia per capita de domicílios menores pode ser mais alto do que o de domicílios maiores. A mudança de estrutura etária e a distribuição geográfica entre campo e cidade também têm influência.


As mulheres, principalmente as dos países pobres, devem ser mais afetadas que as dos países ricos, principalmente pelo fato de serem a maior parte da força de trabalho agrícola e por terem acesso a menos oportunidades para gerar renda.


Elas, sempre segundo o relatório, administram suas casas e cuidam das famílias, o que diminui sua mobilidade e aumenta sua vulnerabilidade quando ocorrem desastres climáticos.


Tudo isso, segundo o texto, gera um "ciclo de privação" que compromete o combate aos efeitos da mudança do clima e que deve ser mais bem estudado.


O relatório cita texto da Conferência Internacional sobre População e Desenvolvimento, ou CIPD, que comclui que, sendo atendidas as necessidades de planejamento familiar e saúde reprodutiva, bem como outros serviços básicos de saúde e educação, haverá uma estabilização natural da população, sem necessidade de coerção. Além disso, o texto propõe melhora no acesso das meninas à educação e medidas para aumentar a igualdade entre os sexos. Isso, a longo prazo, contribuiria para diminuir as emissões de gases de efeito estufa.

Deixe a sua opinião

VEJA TAMBÉM

ÚLTIMAS

Estradas

Rodovias federais terão pontos de descanso para motoristas

Instalações com infraestrutura serão obrigatórias a partir de 2025

Pobreza

Um em cada cinco lares recebia benefício do Bolsa Família em 2023

Proporção é a maior já registrada no país, aponta IBGE

Voltar ao topo

Logo O Pantaneiro Rodapé

Rua XV de Agosto, 339 - Bairro Alto - Aquidauana/MS

©2024 O Pantaneiro. Todos os Direitos Reservados.

Layout

Software

2
Entre em nosso grupo