X

UFRJ inaugura laboratório para criar linhagens de células-tronco

Equipamentos no valor de R$ 4 mi produzirão material para 70 instituições. Entre desafios científicos a superar está risco de tumores nos pacientes. Foi inaugurado nesta segunda-feira (30) no Rio de Janeiro o primeiro laboratório do Brasil voltado exclusivamente para estudos com células-tronco embrionárias, um dos mais modernos do mundo. O complexo fica na Universidade Federal do Rio de Janeiro. Foram investidos R$ 4 milhões em equipamentos que vão produzir bilhões de células-tronco, com capacidade para abastecer uma rede de até 70 laboratórios e hospitais do país.


"O Brasil está muito bem posicionado porque se adiantou, foi possível elaborar uma lei favorável ao uso de células-tronco embrionárias humanas (...) então nós estamos muito bem posicionados internacionalmente", avalia Roberto Lent, diretor do Instituto de Ciências Biomédicas da UFRJ. Serão criados dois tipos de células-tronco. As embrionárias são produzidas a partir de embriões humanos congelados entre cinco e sete dias após a fertilização in vitro (embriões que seriam descartados nas clínicas de reprodução).


O material pode ser usado, por exemplo, nas pequisas para o tratamento de Parkinson. Cientistas tentarão criar células de neurônios testadas em camundongos doentes. Mas ainda não há prazo para a aplicação em seres humanos. Já as células-tronco de pluripotência induzida (iPS) são feitas a partir de uma amostra da pele do próprio paciente. As células recebem um material genético de embriões humanos, "mudam de comportamento" e passam a gerar células de todos os tipos, para qualquer órgão do corpo.


Pesquisadores de vários paises que hoje trabalham com células-tronco encontram hoje problemas, como a contaminação das células por bactérias, além das possibilidades de rejeição e do surgimento de tumores nos pacientes. Estes são também os desafios dos cientistas brasileiros no novo laboratório. "Nós temos as melhores condições de trabalho e os melhores equipamentos para se produzir essas células nas condições que se espera para o desenvolvimento dessa área visando à aplicação em humanos, quando essa aplicação se mostrar de fato viável a partir de estudos que estão sendo desenvolvidos no Brasil e no mundo", diz Stevens Rehen, pesquisador coordenador do laboratório.

Deixe a sua opinião

VEJA TAMBÉM

ÚLTIMAS

Social

José agora sonha com carro adaptado para ter liberdade completa

José foi habilitado pelo CNH MS Social

Homenagem

CRAS II realiza ação alusiva ao mês da mulher

As mulheres do CRAS II participaram de uma oficina de maquiagem ministrada por esteticistas

Voltar ao topo

Logo O Pantaneiro Rodapé

Rua XV de Agosto, 339 - Bairro Alto - Aquidauana/MS

©2024 O Pantaneiro. Todos os Direitos Reservados.

Layout

Software

2
Entre em nosso grupo