X

Veneno inócuo pode explicar aumento de casos de dengue

A família prepara uma denúncia contra médicos do posto da Vila Almeida

O Aedes aegypti, mosquito transmissor da dengue, pode ter criado resistência ao veneno usado para matar o inseto, informou a coordenadora de Vigilância Sanitária de Campo Grande da Sesau (Secretaria Municipal de Saúde), Ana Lúcia Lyrio. Problema idêntico foi detectado em setembro do ano passado com o larvicida (usado para exterminar as larvas do inseto), que precisou ser trocado pois havia se tornado inócuo.

Esse seria um dos motivos que justificariam o aumento de 3.746% no número de notificações da doença em janeiro deste ano se comparado com o mesmo período do ano passado. No primeiro mês deste ano foram notificados 5.583 casos, contra 149 em janeiro de 2009.

Ana Lúcia disse que o Ministério da Saúde, que controla e envia os inseticidas, mandou outro lote de veneno que está sendo testado no combate ao mosquito.

O número de notificações da doença não chega a ser bombástico como o de janeiro de 2007, quando mais de 40 mil pessoas manifestaram sintomas de dengue. Mas preocupa sobremaneira se comparado ao apurado em 2009. Somente no primeiro mês desse ano foram 5.583 notificações, enquanto que no ano passado inteiro o total de notificações foi de 5.179.

Os dados mostram que a Capital enfrenta uma epidemia de dengue, fato que faz lotar diariamente os postos de saúde.

Outro dado relevante: de acordo com informações da Sesau, o número de casos de suspeita de dengue hemorrágica quadruplicou: foram 8 casos, enquanto que o ano passado foram dois.

A coordenadora da Vigilância Sanitária disse também que as fortes chuvas que caíram sobre a cidade em janeiro é um dos fatores que favorecem a infestação do mosquito.

De acordo com números da Sesau, ainda não foi confirmado nenhum óbito, porém há a suspeita de que Leonardo Brito, 22, que morreu no dia 15 de janeiro, tenha morrido com suspeita de dengue hemorrágica, como afirma a viúva do rapaz, Laís Lucrécia Bordado, 26 anos.

Laís disse ao Midiamax que espera o laudo da necropsia para acionar a Justiça. A família prepara uma denúncia contra médicos do posto da Vila Almeida. Segundo ela, o seu marido buscou atendimento três vezes o posto de saúde, mas não foi hospitalizado. Por causa disso os familiares de Leonardo acusam os médicos de negligência.

Deixe a sua opinião

VEJA TAMBÉM

ÚLTIMAS

Economia

Receita Federal regulamenta o benefício fiscal concedido ao setor de eventos

O normativo regulamenta a Lei nº 14.859, de 2024, e dispõe sobre a habilitação das empresas no Programa Emergencial de Retomada do Setor de Eventos

Polícia

Homem é morto pela cunhada após agredir a esposa em Campo Grande

Suspeita ainda não foi encontrada

Voltar ao topo

Logo O Pantaneiro Rodapé

Rua XV de Agosto, 339 - Bairro Alto - Aquidauana/MS

©2024 O Pantaneiro. Todos os Direitos Reservados.

Layout

Software

2
Entre em nosso grupo