X
Policial

Acusado de ajudar a matar pecuarista é preso em Dourados

Cunhado da funcionária que armou o crime no condomínio de luxo em Campo Grande fugiu para a cidade ao sul do Estado

Acusado de matar pecuarista em Campo Grande foi preso em Dourados / Adilson Domingos/ Dourados News

Homem de 21 anos, acusado pelo assassinato da pecuarista Andreia Aquino Flores, de 38 anos, na última quinta-feira (28), em um condomínio de luxo em Campo Grande foi preso nesta segunda-feira (1), em Dourados. Ele é cunhado da funcionária de Andreia, que já está presa preventivamente com a filha.

O suspeito estava na região da Sitioca Ouro Fino, em Dourados. A ação foi efetuada pela equipe da Polícia Civil de Dourados, por meio do SIG (Setor de Investigações Gerais).

Ele fugiu da Capital após o assassinato de Andreia e era procurado pela polícia. As funcionárias foram presas no dia do crime.

Conforme o Midiamax, durante as investigações do assassinato pela Derf (Delegacia Especializada de Repressão a Roubos e Furtos), foi descoberto que o homem envolvido no crime havia sido procurado um dia antes pela cunhada, uma funcionária de Andreia. O encontro ocorreu por volta das 19 horas, na casa dele.

A conversa entre o homem e a funcionária de Andreia teria durado cerca de 30 minutos, no portão da residência. Logo após a conversa, o acusado ao entrar em casa teria relatado a esposa que iria fazer uma ‘fita’. Ela ainda teria falado, “amanhã vou arrumar bastante dinheiro”.

As investigações indicam que o combinado era do acusado receber R$ 10 mil.

No dia do crime, o homem saiu por volta das 9 horas dizendo, “vou ir lá”. Depois de 3 horas, por volta do meio-dia, a mulher recebeu um telefonema do companheiro dizendo que, “a casa caiu. Eu acho que a Andreia morreu”.

O homem chegou até a casa da companheira carregando uma mala, que ela disse não saber o que havia dentro. Em seguida, o acusado no crime falou que formataria o celular e compraria outro chip. Já por volta das 15 horas do mesmo dia, a mulher recebeu mensagens do envolvido no crime dizendo que estava com medo. A mensagem enviada teria vindo de um celular com DDD de Mato Grosso.

Funcionária amante

Ainda segundo o Midiamax, a funcionária de Andreia é apontada como amante da pecuarista, pois recebia ajuda financeira e pagamentos de dívidas. A funcionária disse em depoimento que a irmã de Andreia foi quem pediu para que ela ajudasse na trama, em que a vítima teria de assinar documentos de quitação de uma dívida. A dívida seria da venda de 400 cabeças de gado, em valor aproximado de R$ 8 milhões.

Conforme relatado pelas autoras do crime, a intenção da irmã de Andreia era de ‘dar um susto’ na vítima, mas não assassiná-la. A irmã ainda teria dito para a funcionária que Andreia tinha problemas com bebidas e que ela deveria se aproveitar de um momento de vulnerabilidade para fazer com que a pecuarista assinasse os documentos. Para isso, ela receberia R$ 50 mil.

Com a proposta, a funcionária teria dias antes conseguido fazer com que Andreia assinasse os papeis. No entanto, a pecuarista acabou rasgando os documentos depois.

Andreia e a irmã eram investigadas pela Polícia Federal por contrabando de joias do exterior, além de tráfico de drogas. A família, envolvendo também a mãe das irmãs Aquino, tinha brigas judiciais por questões de herança, compra e venda de gado em valores que chegavam aos R$ 8 milhões.

O Midiamax apurou que as irmãs eram apontadas pela Polícia Federal como distribuidoras de drogas em um outro condomínio de luxo em Campo Grande. O cunhado de Andreia também era investigado. Há ainda a informação de que a família teria tentado assassinar um traficante para roubarem R$ 600 mil.

Vítima de homicídio Andreia, também era investigada pela tentativa de homicídio contra o ex-marido, um empresário de Ponta Porã.

Falso roubo

Junto com a filha e o cunhado, a funcionária teria arquitetado o plano do falso roubo chamando o cunhado para executar o plano. O trio teria se encontrado em uma pastelaria, no Tiradentes, para acertar detalhes do plano, três dias antes. Mãe e filha ainda teriam ido até uma loja para comprar um simulacro de arma de fogo e um boné.

No dia do crime, as duas funcionárias foram até ao supermercado deixando o carro sem travar, para que o cunhado entrasse e fosse com elas até o condomínio. Ainda no mercado o cartão delas não teria passado pela compra de R$ 700 e Andreia, então, teria feito um PIX no valor de R$ 1 mil.

Quando chegaram ao condomínio, o homem desceu do carro com a sobrinha, enquanto a funcionária permaneceu no veículo, para ‘dar fuga’. Ela chegou a dizer em depoimento que pensou em desistir do crime, mas que o cunhado insistia. Ele ainda teria dito que, ao invés de exigir R$ 50 mil de Andreia, pediria R$ 80 mil, para que, caso fossem pegos, ‘o crime valesse a pena’.

Andreia estava na sala quando os autores entraram. O homem a agrediu, tampou a boca da vítima com um pano e a esganava. Ela acabou desfalecendo e, após perceber a demora a funcionária entrou na casa, encontrando Andreia já desacordada. Os suspeitos então levaram a vítima para o andar de cima.

A pecuarista foi colocada em um quarto, na cama, e a funcionária chegou a jogar água para ver se ela acordava. Os suspeitos fugiram e mãe e filha ainda mentiram sobre o sequestro.

Deixe a sua opinião

VEJA TAMBÉM

ÚLTIMAS

Educação

MEC realiza webinário para escuta das adolescências

Iniciativa faz parte de estratégia da Pasta para fortalecer anos finais do ensino fundamental. Evento ocorrerá na próxima quinta-feira, 25 de abril

Saúde

Anvisa tem maioria para manter proibição de cigarros eletrônicos

Medida está em vigor desde 2009

Voltar ao topo

Logo O Pantaneiro Rodapé

Rua XV de Agosto, 339 - Bairro Alto - Aquidauana/MS

©2024 O Pantaneiro. Todos os Direitos Reservados.

Layout

Software

2
Entre em nosso grupo