X
Aquidauana

Professor suspeito de cometer abusos em Aquidauana permaneceu em silêncio durante depoimento

Depoimento estava marcado para às 10h desta segunda-feira (25)

Suspeito saiu da delegacia em carro descaracterizado / Cristiano Arruda

Em depoimento na manhã desta segunda-feira (25), o professor acusado de cometer estupros contra a própria afilhada e a irmã dela, permaneceu em silêncio o tempo todo e disse que só falaria em Juízo.

O depoimento que estava marcado para a manhã de hoje e durou cerca de 30 minutos.

De acordo com a Delegada Titular da Delegacia de Atendimento à Mulher de Aquidauana, Joilce Silveira Ramos, o suspeito foi questionado sobre os abusos praticados, entretanto preferiu permanecer em silêncio em todo o depoimento, por orientação do próprio advogado.

Delegada DamQuestionado sobre os crimes cometidos pelo professor, Samuel Chiesa, advogado do acusado “o crime corre em segredo de justiça e não posso comentar”, afirmou com muito apressado.

Ainda de acordo com a delegada, faltam ouvir duas testemunhas indiretas para que o caso seja encerrado e que nos autos do processo existem elementos suficientes que comprovam o ato praticado pelo professor.

Joilce diz que é comuns mulheres relatarem os abusos cometidos na infância após atingirem a maioridade. "É importante que elas façam a denuncia para que o crime seja investigado”, pontua a delegada que falou sobre a Lei Joana Maranhão.

Lei Joana Maranhão
A proposta legislativa foi batizada de Lei Joanna Maranhão, em referência à nadadora brasileira que foi molestada sexualmente em sua infância, quando contava com nove anos de idade, pelo seu treinador. Somente 12 anos após a atleta pernambucana apontou o responsável pelo assédio sexual.

“A lei não retroage todas as vezes que for prejudicar o réu. Então a lei só vale a partir da data que foi publicada. Desta data pra frente os crimes de estupro de vulnerável, se tornou imprescritível, ou seja, mesmo que a mulher tenha 50 anos de idade e resolver denunciar, a gente vai investigar”, concluiu a delegada.

Fato:
O caso veio à tona em dezembro, quando a vítima, hoje com 18 anos, relatou o ocorrido à mãe após se deparar com o abusador em uma reunião familiar. Conforme apurado, a garota mora em Campo Grande. No último dia 7, esteve em Aquidauana juntamente com uma amiga. Por estar de folga do trabalho, a mãe dela decidiu promover um jantar e convidou amigos e familiares.

Um dos convidados era o professor e também padrinho da vítima. Ao vê-lo, a jovem começou a se sentir mal, ficou assustada e se trancou no quarto, onde chorou. A amiga estava com ela e relatou o ocorrido à mãe, que até então não fazia ideia do abuso. Diante dos fatos, no dia seguinte a jovem foi levada de volta para Campo Grande.

A irmã dela, de 15 anos, também relatou ter sido ‘tocada’ várias vezes pelo professor. Ambas as jovens tiveram problemas de depressão e tentativa de suicídio em razão do ocorrido.

Suspeito saiu da delegacia em carro descaracterizado

Matéria com colaboração de Reinaldo Pintado

Deixe a sua opinião

VEJA TAMBÉM

ÚLTIMAS

Cultura

Espaço Cultural do TCE-MS abre nova exposição com "Entidades Beneficentes"

O Espaço Cultural do Tribunal de Contas de Mato Grosso do Sul foi inaugurado no dia 25 de setembro de 2023

Serviços

Tribunal instala PID em Guia Lopes da Laguna

Os pontos de inclusão digital são estruturas físicas e tecnológicas adequadas para a realização de atos processuais

Voltar ao topo

Logo O Pantaneiro Rodapé

Rua XV de Agosto, 339 - Bairro Alto - Aquidauana/MS

©2024 O Pantaneiro. Todos os Direitos Reservados.

Layout

Software

2
Entre em nosso grupo