01 de agosto de 2021
Anuncie Aqui
Política

Contrária a projeto, Câmara faz audiência sobre ICMS

2 AGO 2007 - 10h53min
campo grande news

A polêmica sobre a mudança nos critérios de distribuição do ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços) entre os municípios é tema de uma audiência pública na Câmara Municipal de Campo Grande. Apesar de uma audiência pressupor debate, os vereadores já se posicionaram contra o projeto de autoria do deputado estadual Júnior Mochi (PMDB). A contrariedade fica expressa logo na entrada, onde o público, que lotou a Câmara, recebeu uma cartolina em formato de mão contendo a frase "Não ao rateio do ICMS".


Para o vereador Athayde Nery (PPS), líder do prefeito na Casa, a opinião preestabelecida não prejudica a discussão. "Os vereadores têm que ter posição mesmo", defende. Segundo ele, com os novos critérios, Campo Grande perderá R$ 300 mil por mês, um total de 3,6 milhões por ano, o que vai comprometer construção de escolas, postos de saúde e Ceinfs (Centros de Educação Infantil). Os números do provável impacto do projeto nas finanças do município ainda não foram informados pela prefeitura, que realiza um estudo. A cidade poderia ser recompensada pela alteração do ICMS Ecológico.


De acordo com Júnior Mochi, a polêmica foi gerada por desconhecimento quanto ao projeto. "Vim para explicar, mesmo sabendo que vou ser criticado", afirma o deputado, que já foi à Câmara, em outra ocasião, para detalhar a proposta aos vereadores. Segundo ele, a discussão está restrita ao Fres (Fundo de Reequilíbrio Econômico e Social). "No projeto há outros dois pontos importantes, a criação de um conselho para discutir e acompanhar a distribuição do imposto e a mudança no ICMS Ecológico, que vai incluir coleta, transporte de lixo e esgoto", salienta. O Fres redistribui 3% dos recursos entre os municípios com menor repasse. Mochi salienta que aguarda sugestões, que serão anexadas ao projeto por meio de emendas. A proposta, que está na Comissão de Finanças, será avaliada em segunda votação pela Assembléia Legislativa.


A audiência é acompanhada por prefeitos de cidades maiores, como Três Lagoas, Dourados e Corumbá, que tendem a perder recursos com a nova distribuição. "Não é o Júnior Mochi que tem que cuidar de 350 bairros, oito distritos rurais e pagar R$ 1 milhão de dívida por mês", reclama o prefeito de Dourados, Laerte Tetila (PT). Ele alega que faltou discussão sobre o projeto. O prefeito de Corumbá, Ruiter Cunha (PT), afirmou que ainda não decidiu se será favorável ou contra o projeto. "Não é saber se Corumbá vai perder ou ganhar, mas conhecer os critérios de distribuição ecológico e social", aponta. Ele enfatiza que é preciso aprimorar esses critérios e não "simplesmente redistribuir uma parte do dinheiro".

 

Veja também

Mais Lidas

1
Geral

Bombeiros atendem incêndio em casa e acidente com morte

2
Policial

Homem é multado por deixar animais sem comida

3
Geral

Dublador do Salsicha, morre três dias após Orlando Drummond, que deu voz ao Scooby-Doo

4
Geral

Nota MS Premiada será sorteada neste sábado

Informe Publicitário

Informe

De barraca a supermercado, poema conta história da Rede Atlântico

Previsão do Tempo

min13 max28

Aquidauana

Sol com algumas nuvens. Não chove.
min13 max28

Anastácio

Sol com algumas nuvens. Não chove.

Níveis dos Rios Hoje

Aquidauana
1,88m
Miranda
1,70m
Paraguai
1,00m

Colunas e Blogs

Valdemir Gomes

inicia...

Rosildo Barcellos

Aruanã Etô – É o lugar das máscaras !

Gabriel Novis Neves

A GRATIDÃO TAMBÉM É VIRTUDE ETERNA

Ver Mais Colunas

Guia Cidade

Distribuidoras de Gás

Shekinah Gás

Rua 27 de julho esq. com João Pessoa, s/n - 79210-000 Anastácio/MS (67) 3245-0055
Telefones Úteis

Delegacia da Mulher

Luis da Costa Gomes, 555 Cidade Nova - 79200-000 Aquidauana/MS (67) 3241-1172
Escolas Municipais

Escola Municipal Ada Moreira Barros

End: Rua João Ferreira Hormondes, s/n Distrito de Cipolândia - 79208-000 Aquidauana/MS (67)
Ver Mais
2
Entre em nosso grupo