X
Política

PT e PMDB admitem palanques diferentes em cinco Estados

As declarações do presidente Luiz Inácio Lula da Silva admitindo a possibilidade de dois palanques governistas nos Estados para as eleições de 2010 provocaram reações no comando do PMDB e do PT. Reunidos ontem, em Brasília, líderes dos dois partidos admitiram a possibilidade de liberar uma composição diferente de alianças em pelo menos cinco Estados: São Paulo, Rio Grande do Sul, Bahia, Mato Grosso do Sul e Pernambuco.


Em Mato Grosso do Sul, no último final de semana, o PT reafirmou a intenção de lançar o ex-governador Zeca do PT para a disputa contra o atual governador do Estado, André Puccinelli (PMDB).
Após o encontro, o líder do governo no Senado, Romero Jucá (PMDB-RR), afirmou que para esses Estados serão criadas uma aliança "heterodoxa". Jucá, no entanto, reconheceu que os problemas nos Estados podem trazer dificuldades na composição PT e PMDB para 2010. "Demos mais um passo no entendimento. Existem Estados que efetivamente vai ser mais difícil, uma solução heterodoxa, diferente da maioria dos Estados que nós vamos fazer", afirmou.


Para Jucá, se não houver entendimento para uma chapa de petistas e peemedebistas nos Estados, qualquer aliança diferente terá que passar pelo crivo do comando dos partidos. "O presidente disse que os Estados serão ouvidos. E é natural esse processo que tem que sair de baixo para cima. É claro que os procedimentos, os entendimentos na base serão feitos e o que não for resolvido na base, virá para a segunda instância. Esse é um processo que vai afunilar na direção nacional, se não houver entendimento", disse.


Segundo a presidente em exercício do PMDB, deputada Iris Araújo (GO), ainda há divergências nos diretórios de Minas Gerais, Rio de Janeiro e Pará, mas podem ser resolvidas. "A gente está acompanhando passo a passo, por isso estamos programando essas reuniões. Muitas vezes saem declarações nos Estados que não temos como checar, então, é importante conferirmos olho no olho o que realmente é um problema. Hoje, temos questões em Minas, Rio e Pará e justamente estamos estabelecendo essa conversação", disse.


Jucá disse ainda que os dois partidos devem fechar os problemas regionais para chegar fortalecidos nas conversões partidárias para, na sequência, conversar sobre o nome do candidato a vice-presidente. O presidente da Câmara, Michel Temer (PMDB-SP), é o mais cotado.
"A chapa esta mantida com PT e para termos vitoria majoritária expressiva nas convenções estamos construindo o entendimento. Respeitando a base, mas a tendência majoritariamente pela indicação do vice-presidente. [...] A tendência majoritária é no nome de Michel Temer, mas não está se discutindo o nome exatamente porque antes do casamento, da festa, não vamos antecipar nada", afirmou.


Além de Jucá e de Iris, participaram da conversa o líder do PMDB no Senado, Renan Calheiros (AL), o ministro Hélio Costa (Comunicações), o líder do PMDB na Câmara, Henrique Eduardo Alves (RN), o deputado Eduardo Cunha (RJ), e os deputados José Eduardo Cardozo (PT-SP), Ricardo Berzoini (PT-SP), e a líder do governo no Congresso, Ideli Salvatti (PT-SC).

Deixe a sua opinião

VEJA TAMBÉM

ÚLTIMAS

Economia

MegaFeirão Serasa Desenrola é lançado com painel sobre Educação Financeira

O mutirão emergencial visa estimular a renegociação de dívidas, facilitando a vida de consumidores de todo o que país podem acessar ofertas especiais de várias formas, digitais ou presenciais

Educação

MEC publica portaria que regulamenta o Fies Social

Serão beneficiados pela portaria estudantes com renda familiar per capita de até meio salário mínimo cadastrados no CadÚnico

Voltar ao topo

Logo O Pantaneiro Rodapé

Rua XV de Agosto, 339 - Bairro Alto - Aquidauana/MS

©2024 O Pantaneiro. Todos os Direitos Reservados.

Layout

Software

2
Entre em nosso grupo