X
Saúde

Uso excessivo de telas afeta desenvolvimento infantil, afirma infectologista pediátrica

Cerca de 47,5% das crianças avaliadas durante a pesquisa, em MS, apresentaram desenvolvimento neuropsicomotor atrasado

Uso excessivo de telas para crianças / Divulgação

Não é segredo que o uso desenfreado de telas preocupa os pais da atual geração; tampouco que tal dependência vem interferindo nas relações emocionais e sociais dos pequenos, principalmente no pós-pandemia.
Segundo a Sociedade Brasileira de Pediatria, 93% das vezes o uso da tecnologia acontece pelo aparelho celular, com exibição de vídeos e filmes, redes sociais, jogos, programas e séries; e o mal está no tempo de atenção dada a essas atividades.

Por conta dessa crescente, a Uniderp realizou um estudo com o objetivo de analisar os efeitos da intensificação do uso de telas durante a pandemia da Covid-19 e as possíveis repercussões no desenvolvimento neuropsicomotor infantil.

Iniciada em 2021, a pesquisa coordenada pela médica infectologista pediátrica e professora do curso de Medicina da Uniderp, Ana Lúcia Lyrio de Oliveira, aponta que 47,5% das crianças avaliadas apresentaram um desenvolvimento neuropsicomotor atrasado, constatando a necessidade de serem acompanhadas a longo prazo. “Foi possível concluir que houve um aumento do uso de telas devido à pandemia da Covid-19 no cotidiano da maioria dos pacientes avaliados. Mais de 50% das crianças que apresentaram resultados de atraso, tiveram um aumento significativo do uso de telas”, afirma a especialista.

O uso de telas tem aumentado consideravelmente entre as crianças em idade de desenvolvimento, desde lactentes até a adolescência, de maneira progressiva na atual cultura em todo o âmbito mundial; e o atraso no desenvolvimento físico e psíquico já vinha sendo associado a essas atividades. “O grupo infantil foi altamente afetado durante o isolamento social, sendo uma das principais “vítimas” das telas, tanto para lazer, quanto para cumprimento de tarefas escolares, como as aulas on-line. Logo, tal uso exacerbado pode acarretar complicações biopsicomotoras”, aponta Ana Lúcia.

A especialista conta que a pesquisa, que teve como alvo crianças de 0 a 12 anos atendidas em ambulatório geral, segue etapas de coleta de dados, entrevistas, aplicação de testes, finalização do artigo e deverá ser concluída em setembro deste ano.

Orientação aos pais

A falta de tempo, atenção e até mesmo afeto, abre espaço para que crianças e adolescentes busquem preencher esse vazio com produtos, atividades e companhias muitas vezes destrutivas que pouco, ou nada acrescentam na esfera social e psíquica. É nessa avaliação que o cuidado dos pais é a melhor ferramenta.

“Depois de um dia exaustivo de trabalho, separar um período para brincar, fazer uma refeição juntos ou ouvir sobre as tarefas do dia pode ser desafiador, mas é preciso. Tempo de qualidade requer sacrifício e dedicação”, enfatiza a pediatra.

Ana Lúcia destaca que a recomendação do uso de telas é de: 3 horas por dia para o público de 11 a 18 anos, incluindo o uso de videogames; 2 horas para crianças entre 6 e 10 anos de idade; e 1 hora diária para as de 2 a 5 anos.

Lembrando que disponibilizar tais aparelhos para interação de crianças menores de dois anos não é indicado.
Irritabilidade, ansiedade, depressão, déficit de atenção e hiperatividade são alguns dos sintomas que servem de alerta.

“O descontrole gerado por esse universo atrativo da internet pode provocar ainda transtornos do sono, obesidade, exposição à sexualidade, comportamento agressivo, problemas de visão e até audição por conta dos fones com volumes altamente elevados. Ao identificar tais comportamentos o acompanhamento deve ser feito por um profissional da saúde”, alerta a médica.

Deixe a sua opinião

VEJA TAMBÉM

ÚLTIMAS

Educação

Professores de instituições federais de ensino entram em greve

Comando de greve será instalado hoje às 14h30 na sede da Andes

Meio ambiente

Brasil precisa recuperar 25 milhões de hectares de vegetação nativa

Meta de 12 milhões deve ser cumprida até 2030

Voltar ao topo

Logo O Pantaneiro Rodapé

Rua XV de Agosto, 339 - Bairro Alto - Aquidauana/MS

©2024 O Pantaneiro. Todos os Direitos Reservados.

Layout

Software

2
Entre em nosso grupo