X
Chamas

Queda na temperatura e umidade alta afastam incêndios no Pantanal

Há mais de 90 dias, moradores da cidade sofriam com os impactos das queimadas

Combate Noturno Pantanal Foto Bruno Rezende 10

A passagem de uma frente fria levou um alívio momentâneo ao Pantanal. A queda da temperatura e o aumento da umidade relativa do ar afastaram os focos de incêndios e a fumaça que encobria Corumbá (MS).

Conforme o Instituto o Instituto Humanitas, há mais de 90 dias, moradores da cidade sofriam com os impactos das queimadas, sem falar nas temperaturas acima da média e na falta de chuvas. Mas, na 2ª feira (8/7), os termômetros marcavam 13ºC no início da manhã. Já a umidade relativa do ar estava entre 63% e 76% na cidade, condições meteorológicas que podem ajudar no combate ao fogo.

Registros de satélite da NASA mostram a diferença nos acumulados de pontos de calor nas últimas 24 horas e na semana passada. Entre sábado e domingo (6 e 7/7), um foco de incêndio foi registrado por hora no bioma, conforme os dados do programa BDQueimadas, do INPE. Já 5ª e 6ª feiras, foram 133 focos.

A bacia do rio Paraguai, que banha o Pantanal, permanece em níveis de estiagem preocupantes. De acordo com balanço do Centro de Monitoramento do Clima e do Tempo de Mato Grosso do Sul (CEMTEC) divulgado na 2ª feira, nos três dias anteriores o rio Paraguai estava abaixo da cota e com redução do nível a cada dia analisado. O mesmo ocorreu nos rios Aquidauana, Miranda e Cuiabá.

A seca extrema levou a Secretaria de Estado de Meio Ambiente (Sema) de Mato Grosso a restringir o uso de água na bacia do Paraguai. O consumo humano, a dessedentação de animais, o combate a incêndios, a preservação da fauna e as atividades econômicas serão priorizados, nessa ordem, com restrições para outras finalidades.

De 1º a 30 de junho, a área queimada no Pantanal chegou a 407,1 mil hectares, mostra o Laboratório de Aplicações de Satélites Ambientais da Universidade Federal do Rio de Janeiro (LASA/UFRJ). A vegetação devastada equivale a nove campos de futebol queimado por minuto no bioma. Ainda conforme o LASA, no mês passado o bioma queimou mais de 13,5 mil hectares por dia; 565,3 hectares por hora, o que representa 9,4 hectares por minuto. Nem em igual mês de 2020, quando o fogo consumiu 26% do bioma, foram registrados tantos focos de incêndio como em junho deste ano.

O Ibama solicitou ao Ministério de Portos e Aeroportos uma alteração na lei de aviação para permitir a contratação de aeronaves e tripulações estrangeiras para combater os incêndios no Pantanal. De acordo com o órgão ambiental, o Brasil só dispõe de aeronaves de pequeno porte para esse trabalho. Diante da situação crítica, o IBAMA alerta para a possibilidade de “sobrecarregar a capacidade de atendimento às emergências relacionadas ao fogo, em especial de meios aéreos, considerando sobreposição com condição crítica para os incêndios florestais nos biomas Amazônia e Cerrado”.

Deixe a sua opinião

VEJA TAMBÉM

ÚLTIMAS

Economia

Geração de energia no Brasil tem expansão recorde de 18,7%

Números do 1º semestre são da Aneel

Polícia

PRF apreende 879 kg de maconha e recupera veículo em Campo Grande

Motorista fugiu e abandonou veículo

Voltar ao topo

Logo O Pantaneiro Rodapé

Rua XV de Agosto, 339 - Bairro Alto - Aquidauana/MS

©2024 O Pantaneiro. Todos os Direitos Reservados.

Layout

Software

2
Entre em nosso grupo